Tamanho do texto

O técnico que costumava apostar em Leandro Damião e Alexandre Pato na função abriu as portas também para Luis Fabiano e até mesmo para Fred

Mano não abre mão do camisa 9
Mowa Press
Mano não abre mão do camisa 9

A nova formação ofensiva do Brasil funcionou no amistoso contra o Iraque. A equipe comandada por Mano Menezes atuou sem um centroavante fixo e conseguiu envolver o frágil adversário na vitória por 6 a 0 . Todos os homens de frente marcaram gols: Oscar (2), Kaká, Hulk e Neymar. Lucas, que entrou no segundo tempo do amistoso, fechou o marcador.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Apesar da goleada, Mano avisou que ainda releva a possibilidade de contar com um centroavante no ataque da seleção. O técnico que costumava apostar em Leandro Damião e Alexandre Pato na função abriu as portas também para Luis Fabiano, do São Paulo, e até mesmo para Fred (que o criticou publicamente), do Fluminense.

Veja também:  Brasil faz 6 a 0 no Iraque e Kaká coroa com um gol seu retorno à seleção


"A gente já jogou sem um jogador fixo em outras oportunidades. Mas não podemos abrir mão de um homem de referência em determinados momentos. Nem sempre a gente consegue resolver uma partida como hoje, só com movimentação. Isso depende do adversário. Temos algumas alternativas que já utilizamos, como Pato, Luis Fabiano e Fred, e certamente colocaremos no grupo da seleção um jogador com essa característica, pois é necessário", avisou Mano.

Leia mais:  Feliz com volta à seleção, Kaká diz que levou jogo contra Iraque como treino

De qualquer forma, o treinador ficou satisfeito com o rendimento da formação que escolheu na partida contra o Iraque. Os jogadores também. "São avaliações que o professor está fazendo. Fomos bem, com todo mundo se movimentando. A cada momento, um jogador diferente vira centroavante lá na frente. O Oscar fez dois gols, e eu participei bastante também. Estou feliz pela partida e por ter ajudado a seleção brasileira", comentou o atacante Neymar.

Para Oscar, sua característica de jogo contribuiu para o sucesso da estratégia de ataque. "O Neymar fica um pouquinho mais à frente, mas tenho o costume de entrar na área quando ele sai. A gente vai trocando. Tomara que continue dando certo", disse o camisa 10.

* com Gazeta

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas