Tamanho do texto

Rodada do Brasileirão é encarado como uma decisão pelo grupo. Adversário é o Coritiba, rival direto na luta contra o rebaixamento

Maikon Leite, atacante do Palmeiras
Gazeta Press
Maikon Leite, atacante do Palmeiras

Desfalque no clássico com o São Paulo por conta de uma entorse no tornozelo direito, Maikon Leite confessou ainda não estar totalmente livre das dores no local, mas já pensa em defender o Palmeiras nesta quinta-feira, contra o Coritiba, em Araraquara (SP).

O Palmeiras conseguirá escapar do rebaixamento? Deixe seu palpite

Relacionado pelo técnico Gilson Kleina para o encontro com um rival direto na luta contra a degola, o camisa 7 avisou que, para ver o time voltar a vencer, aceita até ser apenas opção no banco de reservas da Fonte Luminosa.

"Estou em recuperação, ainda sinto um pouco de dor, mas vou para o jogo. Quero ajudar. Se começar atuando, vou dar o meu melhor. E se for para entrar no decorrer do jogo, também não tem problema. O importante é um ajudar o outro para conseguirmos vencer", ensinou o atacante, em entrevista ao site oficial do clube, sem demonstrar vaidade.

Leia também: "É um dos melhores grupos em que já trabalhei em 15 anos", afirma Bruno

"É hora de estarmos todos juntos, não importa quem entre em campo. Nosso pensamento precisa estar totalmente focado na vitória. Se ganharmos os jogos de meio a zero, já estará de ótimo tamanho", completou o atacante do Palmeiras, que precisa ainda tirar seis pontos de desvantagem exatamente para o Coritiba, primeiro clube fora da zona da degola.

Após anunciar a chegada de Gilson Kleina, o Palmeiras esboçou reação ao vencer duas partidas no Brasileirão - contra Figueirense e Ponte Preta - e uma na Sul-Americana, diante do Millonarios, da Colômbia. O jogo pelo torneio continental foi o que lesionou Maikon Leite e o tirou do Choque-Rei, vencido pelo São Paulo com facilidade, por 3 a 0.

Com o atacante entre os titulares desde que o sucessor de Felipão assumiu, o Palmeiras tem 100% de aproveitamento e média de três gols por partida. Nestas partidas, o veloz atacante atuou ao lado de centroavantes - Barcos na liga nacional, e Obina na Sul-americana. Sem Maikon no clássico, Kleina preferiu mudar a esquema e utilizou cinco homens no meio-campo, com Valdivia e Daniel Carvalho na armação, opção infrutífera no Morumbi.

Para retomar a reação que o time esboçava, Maikon Leite pede para que os palmeirenses esqueçam o jogo contra o rival tricolor. "Joguei bem aberto pelos lados do campo e encaixei com Barcos ou com o Obina. Se jogarmos assim, vamos tentar repetir os jogos que fizemos anteriormente. O time jogou bem e a partida contra o São Paulo precisa ser deixado lado. O duelo contra o Coritiba é uma final e contamos com o apoio do nosso torcedor", avisou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas