Tamanho do texto

Suspenso por envolvimento em escândalo de apostas ilegais e combinação de resultados, treinador pode voltar a dirigir a equipe em dezembro

Antonio Conte, técnico da Juventus
Getty Images
Antonio Conte, técnico da Juventus

O TNAS (Tribunal Nacional de Arbitragem Desportiva de Itália) decidiu nesta sexta-feira reduzir a punição ao técnico da Juventus , Antonio Conte. A suspensão por envolvimento no escândalo de apostas ilegais e combinação de resultados que estourou no país na última temporada passou de dez para quatro meses.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Assim, Conte estará livre para dirigir a Juventus dentro de campo no dia 9 de dezembro, quando o clube enfrenta o Palermo fora de casa pelo Campeonato Italiano, e não no começo de junho de 2014, como estava definido anteriormente.

O TNAS aceitou parcialmente o recurso de Conte ao reduzir a suspensão em parte, mas não cancelá-la. O castigo aconteceu por fatos relacionados à passagem do técnico pelo Siena, na temporada 2010/2011.

Leia mais sobre futebol italiano no blog Tripletta

"Mantenho minha convicção, compartilhada por toda a Juventus, que Antonio Conte é um homem inocente e completamente alheio aos fatos que lhe são atribuídos. A confirmação da suspensão é uma derrota injusta, que tem que fazer com que todo o sistema futebolístico seja revisto", afirmou o presidente do clube, Andrea Agnelli, em comunicado divulgado nesta sexta.

"A Juventus espera que seu treinador finalmente volte ao banco, onde seu talento consegue ser expressado plenamente, prosseguindo com o trabalho que diariamente garante, com abnegação e dedicação à equipe", acrescentou o dirigente na nota.

Agnelli pede também uma profunda reforma da Justiça esportiva na Itália, através da qual sejam evitadas "perigosas assimetrias" que, segundo ele, foram registradas nos últimos anos e que abriram espaço para "verdadeiras injustiças".

O braço direito de Conte no banco da Juventus, o auxiliar técnico Angelo Alessio, também foi punido pelo caso, estourado pela promotoria de Cremona no ano passado, com oito meses de suspensão em primeira instância, que foram reduzidos a seis meses pelo Tribunal de Justiça da FIGC em segundo grau.

*Com EFE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas