Tamanho do texto

Goleiro, capitão do Brasil no Superclássico da Américas, poderia erguer a sua primeira taça com a camisa da seleção brasileira

Goleiro da seleção brasileira lamentou o cancelamento da partida
Gazeta Press
Goleiro da seleção brasileira lamentou o cancelamento da partida

O goleiro Jefferson estava animado para disputar a decisão do Superclássico das Américas nesta quarta-feira. Escolhido para ser o capitão da seleção brasileira, ele levantaria a taça caso a equipe de Mano Menezes vencesse ou empatasse diante da Argentina. A falta de iluminação no Estádio Centenário, contudo, impediu a realização do jogo .

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

"É claro que eu esperava sair daqui com o título, erguendo a taça. Mas seria vaidade se eu pensasse só em mim, na situação de levantar o troféu", afirmou Jefferson. "O importante é que tentamos fazer a nossa parta. Infelizmente, não houve jogo com a Argentina".

Leia mais:  Queda de energia cancela duelo entre Argentina e Brasil em Resistencia

Quando questionado pelo árbitro chileno Enrique Ossés se concordaria em enfrentar a Argentina com os refletores do estádio parcialmente acesos, o goleiro do Botafogo foi contrário. Seu colega argentino Ustari também disse que seria difícil defender com pouca iluminação.

"O lado em que eu estava posicionado ficou um pouco mais claro. Na parte do goleiro deles, estava precário", comentou Jefferson, revelando o temor dos rivais com a dupla ofensiva brasileira. "Os jogadores dele brincaram com o Neymar e com o Lucas. Disseram que, se já estava difícil segurá-los no claro, ainda mais no escuro", sorriu.

Jefferson e seus companheiros poderão ser decretados campeões do Superclássico das Américas mesmo sem jogar a segunda partida com a Argentina. Segundo Andrés Sanchez, diretor de Seleções da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), não há data disponível para remarcar a final e o Brasil, por ter vencido o jogo de ida por 2 a 1, deverá ficar com o título.

Confira ainda:  Andrés descarta remarcar jogo e culpa política por escolha de Resistencia

"Essas coisas a gente deixa para os dirigentes resolverem. Estávamos preparados para jogar. A parte externa decide o resto", esquivou-se um decepcionado Jefferson. "A gente nem sabia direito o que fazer quando disseram que não jogaríamos. Nunca tinha acontecido isso na minha carreira", lamentou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.