Tamanho do texto

Meia corintiano se diz feliz com a renovação de contrato, depois de superar instabilidade na equipe paulista

De contrato renovado, Danilo disse que se sente em casa no Corinthians
Gazeta Press
De contrato renovado, Danilo disse que se sente em casa no Corinthians

O meia Danilo chegou ao Corinthians em 2010 cercado pela desconfiança por ter atuado pelo rival São Paulo. As atuações abaixo do esperado no início transformaram o jogador em alvo de protestos da torcida, mas o atleta conseguiu superar a instabilidade, firmou-se na equipe titular e renovou nesta semana seu contrato com o Corinthians.

Deixe o seu recado e comente esta notícia com outros torcedores

"Foi muito bom, fico feliz por permanecer aqui por mais um período. Eu me sinto em casa, as duas partes estavam querendo. Quando é assim, tende a caminhar mais rápido", ponderou o atleta, depois do treino no CT Joaquim Grava.

Leia mais:  Tite testa Corinthians com Guerrero entre os titulares e Emerson no time reserva

Danilo teria vínculo apenas até dezembro, mas prorrogou seu contrato para julho de 2015, sem nem mesmo ter ouvido propostas de outras equipes. Estabilizado com a camisa alvinegra, o meio-campista relembra seu começo difícil ao analisar a iminente saída de Paulo Henrique Ganso do Santos para o São Paulo.

Confira ainda: Paulinho ignora impedimento e festeja primeiro gol pela seleção brasileira

"É complicado, você paga um preço por tudo. Minha chegada aqui não foi fácil, porque gera desconfiança. Ele é um grande jogador e esperamos que possa se dar bem. Mas claro que tem o outro lado da moeda, porque pode não dar certo", acrescentou.

Danilo não fez o caminho direto do Morumbi para o Parque São Jorge. Quando deixou o São Paulo, em 2007, o meia seguiu para o Kashima Antlers, do Japão, até ser repatriado pelo Corinthians, que venceu a concorrência justamente do Tricolor para contratá-lo.

Aos 33 anos, o jogador não imagina a hipótese de a renovação até 2015 ser seu último contrato profissional. "Nunca posso pensar assim. Tenho de ver em cada dia, cada jogo, cada treino... Enquanto estiver me sentindo bem, vou jogar, mas vou ter autocrítica e saber a hora certa de parar", concluiu.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.