Tamanho do texto

Time paulista sobe da 19ª para a 17ª posição e pode pensar em deixar a zona de rebaixamento na próxima rodada

Aos 16 minutos do segundo tempo, os mais de 30 mil pagantes presentes no Pacaembu na noite desta quinta-feira viram o canhoto Rivaldo, que não fez gol em um ano e meio no Palmeiras, marcar um golaço de direita. Era o de empate. O time paulista, porém, contou hoje com um grande nome: Tiago Real, decisivo na vitória por 3 a 1 sobre o Sport que deu vida ao time na luta contra o rebaixamento.

Palmeiras sobe, mas segue na zona de rebaixamento. Veja a classificação atualizada

Antes do gol de Rivaldo, Correa aproveitou passe de Valdivia e falha de Magrão para abrir o placar aos sete minutos da etapa final. Um minuto após Rivaldo calar a torcida por alguns segundos, Tiago Real marcou o seu, aos 17. E, aos 22, o meia deixou para Obina, substituto de Barcos - na seleção argentina -, sentenciar o marcador.

Os três pontos somados pelos comandados de Luiz Felipe Scolari deixam a equipe com 20, ainda na zona de rebaixamento, mas agora na 17ª colocação, a dois pontos do Coritiba, primeiro clube fora da faixa de descenso. O Sport, com 19, aparece em antepenúltimo lugar.

Fluminense bate o Santos e assume a liderança do Campeonato Brasileiro

A luta de ambos contra a queda para a Série B segue no domingo. O Palmeiras, que venceu nesta quinta-feira após quatro jogos seguidos sem triunfar na liga nacional, visita o Atlético-MG em Minas Gerais às 16 horas (de Brasília). Às 18h30, o Sport recebe na Ilha do Retiro o outro mineiro da competição, o Cruzeiro.

O jogo

Com a vitória cada vez mais necessária para evitar o rebaixamento, Luiz Felipe Scolari tem adotado times ofensivos, e nesta quinta-feira apostou em uma mudança tática. O técnico segurou mais Henrique e optou por um 3-5-2 com Correa aberto pela direita e Juninho do outro lado. Dessa forma, passou a ocupar o campo do Sport desde o início da partida.

Ao longo do primeiro tempo, João Vitor e até Henrique aproveitavam os espaços para ultrapassar o meio-campo e auxiliar na busca pelo gol. Para complicar a marcação da confusa equipe pernambucana, o Palmeiras tinha Tiago Real em constante movimentação, chegando a alternar com Obina na função de centroavante, mas principalmente abrindo para Correa subir.

As oportunidades, porém, foram raras. Como ocorreu no 0 a 0 diante do Grêmio no sábado, o Palmeiras rodava a bola, detinha a posse, mas encontrou um adversário tão recuado, povoando a proteção à sua meta da meia-lua para trás, que estava difícil levar mais perigo ao goleiro Magrão.

E o primeiro tempo poderia ser pior. Nos minutos finais, o Sport conseguiu respirar e, tocando a bola, foi conseguindo faltas mais à frente e, em uma delas, a bola foi para na cabeça de Felipe Azevedo. Aos 44 minutos, o atacante subiu mais do que a zaga e testou com precisão. Para sorte dos muitos palmeirenses presentes no Pacaembu, Bruno se esticou e espalmou.

Se não houve gol, sobrava tensão no confronto até o intervalo. Tanto que Luan, acusando Hugo de cusparada, se desentendeu com todo o time rival na caminhada para os vestiários. A delegação pernambucana reclamou que o atacante comandado por Felipão xingou com palavrões seus adversários.

O camisa 11 do Verdão, porém, poderia ter se tornado um personagem melhor do jogo já no início do segundo tempo. Valdivia deixou Luan sem nenhuma marcação da grande área e o atacante teve tempo até para ajeitar para a canhota, mas, de frente para Magrão, chutou para fora.

O lance, entretanto, mostrou a nova configuração armada por Scolari. O técnico abriu mão do 3-5-2 sacando João Vitor para deixar Artur fechando os espaços na lateral direita. A volta para o 4-4-2 deixava Correa mais solto, causando maior preocupação ao Sport e permitiu que Valdivia tivesse mais liberdade para mostrar sua criatividade.

E foi no novo posicionamento dos dois que o Verdão encontrou seu primeiro gol após dois jogos. O camisa 10 ajeitou para Correa chegar de trás e finalizar com muita força, aos sete minutos da etapa final. O goleiro Magrão, responsável por milagres a favor do Sport, não conseguiu segurar e permitiu a festa verde no Pacaembu.

Obina perde o equilíbrio
Futura Press
Obina perde o equilíbrio


Foi um desafogo tão grande que prejudicou o Palmeiras. Com Willians no meio-campo, o time visitante passou a ocupar o campo adversário a ponto de Hugo, aos 15 minutos, ter furado uma letra. No minuto seguinte, contudo, o canhoto Rivaldo teve liberdade na intermediária para soltar uma bomba de direita no ângulo do Bruno, calando por alguns segundos a torcida que tanto o xingou até o ano passado.

Mas o golaço do antes contestado meio-campista foi minimizado por um novo nome no meio-campo do Palmeiras. Logo aos 17 minutos, Tiago Real mostrou qualidade para dominar e, de canhota, colocar o time na frente no placar de novo. Aos 22, o meia ainda ajeitou na grande área para Obina fazer 3 a 1.

Na sequência da partida, o Sport trocou seus nomes na frente, buscou maior movimentação, mas os gols e o embalo da torcida do Palmeiras, com presença maciça no Pacaembu, deixaram a partida resolvida. Os últimos 20 minutos foram para o palmeirense respirar e a equipe pernambucana buscar soluções. Ambos seguem com a dura missão de evitar a disputa da Série B em 2013.

FICHA TÉCNICA - PALMEIRAS 3 X 1 SPORT

Local: estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 6 de setembro de 2012, quinta-feira
Horário: 21 horas (de Brasília)
Público: 30.463 pagantes
Renda: R$ 599.780,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Assistentes: Cristhian Passos Sorence (GO) e Ediney Guerreiro Mascarenhas (RJ)
Assistentes adicionais: Wagner Reway (MT) e Adriano Milczvski (PR)
Cartões amarelos: Henrique, Thiago Heleno e João Vitor (Palmeiras); Willian Rocha, Rivaldo, Hugo e Diego Ivo (Sport)

Gols:
PALMEIRAS:
Correa, aos sete, e Tiago Real, aos 17, e Obina, aos 22 minutos do segundo tempo
SPORT: Rivaldo, aos 16 minutos do segundo tempo

PALMEIRAS: Bruno; Mauricio Ramos, Henrique e Thiago Heleno; Correa, João Vitor (Artur), Tiago Real (Márcio Araújo), Valdivia e Juninho; Luan (Maikon Leite) e Obina
Técnico: Luiz Felipe Scolari

SPORT: Magrão; Welton, Bruno Aguiar, Diego Ivo e Willian Rocha; Tobi, Rivaldo, Moacir (Willians) e Hugo; Gilsinho (Henrique) e Felipe Azevedo (Gilberto)
Técnico: Waldemar Lemos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.