iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

22/10 - 07:40

Pelé chega aos 70 anos como "rei" do marketing
Mais de trinta anos após aposentadoria, ex-jogador lucra como garoto-propaganda mais do que faturava na época de jogador

Paulo Passos, iG São Paulo

O último gol feito por Pelé foi há 33 anos. O último título conquistado também. Mesmo assim, o empresário Edson Arantes do Nascimento segue os passos do jogador e acumula uma lista de conquistas, agora fora dos gramados. Prestes a completar 70 anos (o aniversário acontece neste sábado), ele segue trabalhando e, é claro, faturando muito como garoto-propaganda.

Getty Images
Sem jogar há mais de 30 anos, Pelé ainda fatura como garoto-propaganda

Sem jogar desde 1977 e aposentado há dois anos, quando passou a ganhar uma pensão de R$ 3 mil do INSS, Pelé não para de trabalhar. Ao menos é isso que dizem as pessoas que cercam o maior jogador de futebol de todos os tempos.

“A agenda dele é muito corrida, e ele adora isso. Só neste ano, acho que foram umas 50 viagens a trabalho”, revela Neli Cruz, secretária do ex-jogador que, há dez anos, é responsável por organizar seus compromissos. Em um escritório no bairro Vila Olímpia, na capital paulista, a secretária acerta as participações de Pelé em eventos e as gravações de propagandas.

Segundo Neli, o chefe vai ao local pelo menos uma vez por semana. “Isso quando não está viajando, né”, diz. Só neste ano foram mais de dez países visitados. Em todas as viagens, ele foi pago por uma empresa que queria associar a sua marca a Pelé. Países da América do Sul, além de Estados Unidos, Inglaterra, México e Angola foram os destinos repetidos.

Só para o país africano foram quatro viagens, a serviço de uma construtora brasileira. Os negócios do maior jogador de futebol de todos os tempos são administrados pela empresa de licenciamento Prime, da qual ele é sócio. A companhia não informa quanto consegue obter com o licenciamento da marca Pelé. Segundo o jornal italiano “Corriere dello Sport”, o faturamento da empresa chega a US$ 18 milhões por ano.

O iG apurou que, entre as empresas parceiras de Pelé, a que tem o contrato mais alto é o banco Santander. Desde 2008, o brasileiro é o garoto-propaganda da Copa Libertadores, patrocinada pela instituição financeira. “Estamos tão satisfeitos que renovamos o contrato com ele por mais três anos”, revela José Domingos Velletri, superintendente de eventos e patrocínios do banco.

Derrapadas no passado
Atualmente bem sucedido nos negócios, Pelé já sofreu com problemas em suas empresas no passado. O primeiro deles foi na década de 60. Na época, o empresário espanhol José Gonzáles, conhecido como Pepe Gordo, era o responsável pela administração dos negócios do então jogador do Santos.

Fortificante, café, sapato, quase tudo era "vendido", na época, pelo garoto-propaganda Pelé. Apesar dos contratos, o já consagrado camisa 10 descobriu no final da década de 60 que estava falido, pois havia sido enganado pelo seu empresário. A parceria com José Gonzáles foi desfeita, mas o santista só foi se recuperar financeiramente quando acertou a transferência para os Estados Unidos.

Anos mais tarde, já aposentado, Pelé sofreu outro baque em seus negócios. Em 2001, ele desfez uma sociedade de 11 anos com o advogado Hélio Viana. O motivo do rompimento foi uma denúncia de que a Pelé Sports & Marketing havia recebido US$ 700 mil de um evento da Unicef, que havia sido acordado como beneficente. Pelé negou que tenha recebido o dinheiro e acusou o sócio, que afirmou que o ex-jogador sabia de tudo.

Presidente de honra
Técnico, Pelé sempre disse que não queria ser. Mas presidente ele já é. Em agosto, o ex-jogador foi anunciado como presidente de honra do New York Cosmos, equipe que defendeu na década de 70, nos Estados Unidos, e que recentemente retomou as atividades.

Getty Images
Desde agosto, Pelé é presidente de honra e garoto-propaganda do Cosmos

A homenagem pode ser repetida pelo Santos. Uma das bandeiras do atual presidente Luis Álvaro de Oliveira durante a campanha na eleição era uma parceria do clube com o seu maior ídolo. A medida, entretanto, ainda não saiu do papel. “Até tem uma brincadeira que eu sempre faço: só me chamam para ir lá ou quando tem confusão ou quando a diretoria está mal”, afirmou Pelé na última semana.

Luis Álvaro diz que as negociações para fechar um contrato com Pelé estão adiantadas. “Nesta semana mesmo estive reunido com o Pepito”, diz, referindo-se ao principal assessor do ex-jogador.


Leia mais sobre: Pelé Santos Cosmos

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias