iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

20/09 - 22:35

Mano defende Neymar, mas ainda não dá certeza sobre convocação

"Hoje eu o vejo com uma sobrecarga no Santos. Há pouco tempo ele era auxiliado por ninguém menos que Robinho, André e Ganso", diz técnico da seleção

Gazeta Esportiva

As recentes polêmicas envolvendo o atacante Neymar parecem não incomodar o treinador da seleção brasileira. Nesta segunda-feira, Mano Menezes minimizou as atitudes do jogador e chegou a defendê-lo, mas não garantiu sua presença na lista de convocados que será divulgada na quinta, para amistosos que serão realizados no início de outubro.

"A convocação só sai na quinta e não costumo antecipar. Neymar é um jovem que vai cometer alguns erros e oscilar, não só em atuações. Hoje eu o vejo com uma sobrecarga no Santos. Há pouco tempo ele era auxiliado por ninguém menos que Robinho, André e Ganso. Eram jogadores que compartilhavam a responsabilidade de ser a estrela da companhia", disse ele, em participação no programa "Roda Viva", da "TV Cultura".

Para o treinador, que terá uma conversa com Dorival antes de revelar os convocados, tanto os elogios direcionados ao jogador desde o começo do ano, em razão de suas ótimas atuações, quanto as críticas sofridas por ele após os episódios recentes foram exagerados.

"Da mesma forma como Neymar foi endeusado, até com certa demasia, está havendo uma cobrança na mesma proporção. Ele cometeu um erro e espero que esse momento seja de reflexão e lhe sirva de lição. Não entendo que os elogios ou críticas foram precoces, mas a proporção foi maior do que deveria", declarou ele.

"Ninguém chega para outro atleta e diz que é milionário do nada. Isso faz parte de um diálogo áspero, às vezes acontece depois de uma entrada violenta. Você não pode chegar no dia seguinte, apagar todo o contexto e usar a frase solitária", prosseguiu, lembrando as acusações dos jogadores do Avaí, de que o camisa 11 santista os teria humilhado dizendo-se "milionário".

Apesar de defender a joia santista, Mano admitiu que prefere manter distância dos chamados "bad boys" do futebol. "Minha preferência é por uma linha mais responsável, por jogadores mais equilibrados", alertou ele, que fará sua terceira convocação à frente da equipe nacional.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias