iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

02/09 - 14:27

Mudança de técnico faz selecionáveis se mexerem no mercado europeu
Grupo de jogadores preteridos por Dunga mudam de clube de olho em convocação para a seleção de Mano Menezes

Allan Brito, especial para o iG

A chegada de Mano Menezes ao comando da seleção brasileira veio junto com um discurso de renovação, proferido inclusive pelo presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Ricardo Teixeira. Essa ideia despertou em vários jogadores a esperança de passar a fazer parte da equipe nacional. Dessa forma, muitos deles aceitaram mudar de time em busca de mais espaço para jogar e se destacar. São os casos, por exemplo, de goleiro Diego Cavalieri (do Liverpool para o Cesena), do lateral Filipe Luís (do La Coruña para o Atlético de Madri) e do meia Diego (da Juventus para o Wolfsburg).

O caso de Cavalieri é um dos mais curiosos. O goleiro era o reserva de Pepe Reina, no Liverpool, desde 2008. Antes, ele estava no Palmeiras, clube no qual viveu bons momentos, mas também ficou bastante tempo no banco quando Marcos estava bem fisicamente.

Incomodado com tanto tempo sem a titularidade, Diego resolveu aceitar a proposta de um time pequeno da Itália para conseguir jogar com mais frequência. O Cesena subiu para a primeira divisão do Campeonato Italiano na última temporada e, em agosto, contratou o goleiro brasileiro por empréstimo. "Ele precisa jogar para entrar na briga por uma vaga nesta renovação da seleção brasileira que está sendo feita pelo Mano Menezes”, disse o empresário do jogador ao anunciar que o negócio estava fechado.

O problema é que no Cesena também existe a possibilidade de Cavalieri ficar na reserva. Francesco Antonioli, de quase 41 anos, começou jogando na estréia, contra a Roma, e tem moral no clube. Não vai ser fácil para o brasileiro superá-lo na briga pela posição. Mesmo assim, ele se mostrou animado em sua apresentação e chegou a classificar a transferência como um recomeço da sua carreira, mostrando um claro incômodo com a situação que viveu na Inglaterra. "Estou animado e focado em recuperar o tempo perdido", disse Diego.

Xará de Cavalieiri, o meia Diego foi outro que decidiu sair de um time grande da Europa em direção a um clube menor em busca de mais oportunidades. Ele estava na Juventus e foi para o Wolfsburg. Isso porque o time italiano mudou de técnico recentemente e poderia não utilizá-lo com frequência. As características de Diego não se encaixavam no esquema tático que Luigi Del Neri costuma utilizar nas suas equipes, o 4-4-2 tradicional na Europa.

Diego teria que virar atacante para jogar. Ele até participou de algumas partidas de pré-temporada nessa posição e teve bons momentos, mas acabou negociado e se mudou para onde viveu sua melhor fase, a Alemanha. O Wolfsburg pagou 15,5 milhões de euros e levou o brasileiro para o time que conta também com Josué e Grafite. Diego terá a missão de substituir o bósnio Misimovic, que foi para o Galatasaray.

AFP
Diego estreou fazendo gol em uma derrota do Wolfsburg

Outro que não mediu esforços para renovar suas chances na seleção brasileira foi o lateral-esquerdo Filipe Luís. Ele saiu de um clube no qual já era ídolo, o Deportivo La Coruña, para se arriscar no Atlético de Madri. “Aqui (no La Coruña) joguei bastante, e agora no Atlético será mais complicado. É um desafio na minha vida e tentarei aproveitar a oportunidade. Sonho todos os dias em ir à seleção. Sempre foi meu sonho. Talvez uma transferência neste momento tenha sido o melhor para eu chegar à seleção. Agora, tenho de trabalhar e mostrar que estou bem”, analisou o jogador.

Adriano, também lateral-esquerdo e que saiu do Sevilla para o Barcelona, concorda com Filipe Luís sobre a contribuição que uma transferência pode dar para quem pretende ser convocado por Mano Menezes: "Gostaria muito de jogar o próximo Mundial, que será no Brasil. Então agora prometo trabalhar forte com o Barcelona para conseguir este objetivo", afirmou.

Volta para casa
Mas nem todas as transferências motivadas pela mudança de técnico na seleção aconteceram na Europa. A chegada de Mano, que tem visitado estádios para ver jogos no Brasil inteiro, também contribuiu com os clubes daqui. Os atacantes Rafael Sóbis (Inter), Diogo (Flamengo) e Keirrison (Santos), por exemplo, desistiram de suas aventuras no exterior, foram repatriados e agora podem conseguir mais visibilidade. Eles ainda não empolgaram em seus novos times, mas a motivação é que, com o tempo, sejam observados com mais atenção pelo novo técnico do Brasil.

"A seleção brasileira é um sonho desde criança. Nessa Copa eu torci como menino, como sempre torci. Então é um sonho que eu tenho. Vou trabalhar, é lógico, e sei que no momento certo vai acontecer", comentou Keirrison após chegar ao Santos.

AE
Mano Menezes tem observado os jogos do Campeonato Brasileiro nos estádios


Leia mais sobre: Futebol internacional Mercado da bola Mano Menezes Seleção brasileira

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Getty Images

us diego cavalieri

Diego Cavalieri
Goleiro ex-Liverpool mudou de time, mas pode amargar a reserva de novo, dessa vez no Cesena

Topo
Contador de notícias