iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

01/09 - 07:00

Com oito anos de Corinthians, Dentinho é a identificação da Fiel no time

Garoto de 21 anos é corintiano desde pequeno, foi reprovado em teste em um clube rival e adotou apelido apesar de ex-treinador exigir nome mais pomposo

Marcel Rizzo, iG São Paulo

Dentinho é a cara do Corinthians. O garoto de 21 anos está há mais de oito anos no Parque São Jorge e, do atual elenco, é o mais identificado com o clube. Uma lesão na coxa direita o deixou de fora das últimas partidas, as que antecederam o centenário. Tempo para o jogador ser utilizado pelo clube para participar de eventos, que foram desde visita a crianças carentes até a árvores plantadas no interior de São Paulo, para ajudar o meio-ambiente.

“O Corinthians é minha casa. Por mim nunca sairia daqui”, disse o garoto ao iG, sabendo que este é um desejo quase impossível de ser cumprido. Com os direitos econômicos divididos entre o Corinthians e empresas, qualquer oferta do futebol estrangeiro um pouco mais alta fará com que ele saia do Brasil.

Getty Images
Dentinho, com Elias ao lado, beija braço com nome dos pais tatuado depois de marcar gol na Libertadores 2010. Identificação com a torcida

“Mas ainda sonho em ganhar uma Libertadores pelo Corinthians. Quero ajudar na classificação para 2011 e ganhar finalmente. Só depois vou sair em paz”.

De família humilde, Dentinho viveu por muitos anos em um orfanato, mas não porque perdeu os pais. “Meus pais trabalhavam no orfanato e eu morava por lá. Acho que ali que aprendi a jogar futebol”. Até hoje ele comemora gols e homenageia os pais, Adonias e Nice, já que tatuou os nomes dos dois nos braços, que beija a cada gol.

Aos 13 anos, mesmo sendo corintiano fanático (a ponto de ter um gavião desenhado em seu quarto), Dentinho teve a oportunidade de fazer teste no rival São Paulo. “Não passei porque disseram que eu não tinha corpo para ser jogador de futebol. Foi bom porque depois fui aprovado no Corinthians e hoje estou aqui”.

O patinho feio
Na categoria de base fez um amigo, inseparável até pouco tempo atrás: Lulinha. Destaques em uma equipe sub-17 que marcou mais de 100 gols no Paulista da categoria de 2007, Dentinho e Lulinha foram promovidos pelo técnico Paulo César Carpegiani na campanha que resultaria no rebaixamento para a Série B do Brasileiro. Incomodado, o técnico fez até o garoto ser chamado de Bruno Bonfim, para desgosto de Dentinho.

“Sempre preferi o Dentinho (o apelido é por causa dos dentes avantajados). Ele pediu, eu era novinho, acatei. Mas em campo o pessoal só me chamava de Dentinho, não tinha jeito”.

O Corinthians caiu, mas os garotos não. Eles foram mantidos no time titular, para surpresa de Dentinho. “Achei que iam nos mandar jogar a Copa São Paulo ou voltar para a base. Quando ficamos ali eu senti que não sairia mais do profissional”.

O moleque considerado craque da dupla era Lulinha. Mas o “patinho feio” Dentinho foi quem se destacou. Até hoje foram 162 jogos e 50 gols. Lulinha foi emprestado ao futebol português e hoje disputa a segunda divisão pelo Olhanense.

“Conquistei títulos, fiz gols e minha relação com a torcida sempre foi especial. Agora só falta eu ficar no clube mais alguns anos e marcar o primeiro gol no novo estádio”, disse um sonhador Dentinho.


Leia mais sobre: Corinthians Dentinho Centenário

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Marcel Rizzo

Dentinho, atacante do Corinthians, planta muda de árvore em evento do clube, no dia 26/8/2010

Dentinho
Atacante participa de evento em que plantou árvores. Ele foi o mais assediado pela garotada

Topo
Contador de notícias