iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

30/08 - 13:10

Com estádio definido para a Copa, Corinthians tenta conseguir verba para receber abertura
Autoridades afirmaram que Estado de São Paulo receberá abertura, mas clube não define como pagará estádio para 60 mil pessoas. Projeto atual é para 48 mil lugares

Marcel Rizzo, iG São Paulo

Enquanto o governador de São Paulo fala em abertura da Copa do Mundo de 2014 no Estado, o Corinthians ainda trabalha com projeto para estádio com 48 mil lugares, em Itaquera. A exigência da Fifa, entretanto, é para que a arena que receberá o primeiro jogo do Mundial de 2014 tenha, pelo menos, capacidade para 60 mil pessoas. O presidente do clube disse que irá se reunir com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e com a Odebrecht, empreiteira que vai construir o estádio, para tentar viabilizar o aumento na capacidade.

Divulgação
Maquete do estádio do Corinthians, sede paulista da Copa do Mundo de 2014

Anunciado na última sexta-feira como estádio de São Paulo na Copa do Mundo, o atual projeto do Corinthians tem orçamento previsto de R$ 300 milhões a R$ 350 milhões. Segundo o presidente do clube, o investimento será feito pela Odebrecht, que terá direito a vender o nome da arena para uma empresa.

No projeto corintiano, a capacidade do estádio é de 48 mil espectadores, mas o governador de São Paulo disse que ele irá receber a abertura do Mundial. Alberto Goldman acredita que o número de cadeiras será ampliado.

Andrés Sanchez também defende a ideia de aumento na capacidade. Porém, nem o presidente corintiano, nem as autoridades presentes no evento de apresentação oficial do projeto em Itaquera, nesta segunda-feira, informaram como será bancada a ampliação. O aumento de lugares representa um reajuste de R$ 170 milhões no projeto.

“Caso não haja a possibilidade para esse aumento, o estádio do Corinthians será a sede de São Paulo e a abertura vai ser em outro lugar”, afirmou o prefeito Gilberto Kassab. Mesmo assim, ele não acredita que isso deva acontecer.

Ao contrário do que disse em entrevista recente, Andrés Sanchez apresentou a proposta ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira, ao governador e ao prefeito há cerca de 45 dias, logo que o Morumbi foi excluído definitivamente do processo. O presidente negou novamente nesta segunda que tenha conversado com Teixeira sobre o assunto durante a Copa da África do Sul, quando chefiou a delegação brasileira.

Milton Trajano

"Não há dedo do governo federal, estadual ou municipal. Trabalho nesse projeto há um ano e meio e o único dirigente que sabia era o Marco Polo Del Nero (presidente da Federação Paulista de Futebol). Só há um mês e meio que o apresentei ao Teixeira e aos políticos", disse Sanchez.

A construtora Odebrecht vai bancar a obra (com financiamento do BNDES) e em troca terá o naming rights para vender. A estimativa corintiana é que a empresa recupere o investimento entres dez e 15 anos vendendo o nome do estádio por R$ 30 milhões/ano.

"Para realizar a abertura vamos sentar e conversar para fazer numa nova engenharia financeira que chegue aos R$ 170 milhões a mais", disse Sanchez. A preferência do Corinthians é que sejam colocados assentos temporários, a chamada arquibancada móvel.

A Fifa rejeita essa ideia e teria que ser convencida a mudar seu caderno de encargos. No estudo feito pela diretoria corintiana em conjunto com a Odebrecht ficou comprovado que um estádio para 48 mil pessoas se paga e ainda gera lucro (Sanchez estima R$ 100 milhões ao ano). Mais do que isso é um risco que o clube agora terá que correr para ter a abertura do Mundial.


Leia mais sobre: Estádio Corinthians Copa do Mundo 2014 Fifa

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Gazeta Press

corinthians estadio

Projeto do estádio
Marco Polo del Nero, Andrés Sanchez, Gilberto Kassab e Alberto Goldman nesta segunda-feira

TopoContador de notícias
AE

Governador e prefeito de São Paulo visitaram terreno do estádio em Itaquera