iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

16/07 - 08:59

Exclusão do Morumbi abre crise entre Fifa/CBF e comitê paulista

Paulistanos querem recolocar o estádio são-paulino na Copa 2014; local foi descartado pela entidade máxima do futebol

Agência Estado

A exclusão do estádio do Morumbi da Copa do Mundo de 2014 provocou uma forte crise na relação entre Fifa/CBF e o Comitê Paulista. Indignados com o que chamam de "truculência" da direção das duas entidades durante o processo que resultou no veto ao estádio, representantes do comitê resolveram contra-atacar.

A estratégia é operar em marcha lenta nos próximos meses e passar a impressão de que o jogo de abertura não é tão importante assim para a cidade. O objetivo é um só: forçar a Fifa e a CBF a recolocarem o Morumbi na Copa.

No próximo dia 21 está marcada uma reunião entre os envolvidos na polêmica. Espera-se a presença, por exemplo, de Ricardo Teixeira, presidente da CBF, do Comitê Organizador Local e uma das figuras mais criticadas dentro do comitê. Como se vê, o clima entre as partes não é amistoso. "Claro que não queremos que São Paulo fique sem a partida de abertura da Copa. Mas não aceitamos a forma como o assunto tem sido tratado. Nos deram um passa-moleque", explicou um dos representantes do comitê. "Vai ser uma batalha de várias rodadas, jogo duro".

Divulgação
Corinthians também estuda projetos de estádio para receber jogos na Copa 2014

Diante da constatação de que o embate será árduo e longo, os dois lados já preparam argumentações. Caso Fifa e CBF não se sensibilizem com o confronto e mantenham o veto ao Morumbi, a direção do comitê estuda dizer que São Paulo perdeu a abertura porque não aceitou usar dinheiro público na construção de arenas esportivas que se transformariam em "elefantes-brancos" após o Mundial. Segundo integrantes do grupo, os envolvidos sairiam do episódio com a imagem preservada, enrolados na bandeira de defensores do interesse coletivo. "São Paulo é a cidade com mais condições de receber a abertura, e queremos essa partida. Mas sem fazer loucuras", afirmou o executivo.

Planos B
No encontro de quarta, representantes do comitê paulista defenderão o projeto do Morumbi. Segundo eles, o estádio atenderia às exigências da Fifa após passar por reformas orçadas em R$ 250 milhões. Além disso, indicarão a Arena Palestra Itália e o Pacaembu reformado (nesse caso poderia ser utilizado recurso público) como alternativas da cidade. Porém, nenhum deles teria a capacidade mínima de 65 mil lugares necessária para abrigar a abertura. "Se eles (Fifa/CBF) anunciaram que o Morumbi está fora da Copa, que arquem com o desgaste de anunciar que São Paulo está fora".

Por outro lado, a carta na manga de Teixeira e do presidente da Fifa, Joseph Blatter, tem nome e sobrenome: Andrés Sanchez. Embora o presidente do Corinthians tenha dito à que o clube não tem interesse em assumir o Piritubão, apontado como plano B depois da exclusão do Morumbi, o projeto de construção da arena em Itaquera poderia surgir como solução. Para isso, as entidades teriam de bancar a ampliação do estádio para 65 mil pessoas. Originalmente, o projeto corintiano prevê 45 mil lugares.


Leia mais sobre: CBF Fifa São Paulo Morumbi Copa do Mundo 2014 Comitê Paulista

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Reprodução

Morumbi Copa

Morumbi
Último projeto de reforma do estádio não o deixa em condições de receber a abertura em 2014

Topo
Contador de notícias