iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

25/03 - 03:39

Bons exemplos e jogo de cintura impulsionam técnicos brasileiros na Ásia
Desde a chegada de Evaristo de Macedo ao Catar, técnicos deixam o futebol pentacampeão do mundo e fazem sucesso em países distantes

Bruno Pessa, iG São Paulo

Dos 32 times que disputam a Liga dos Campeões da Ásia, torneio mais importante daquele continente, sete contam com treinadores brasileiros, ou seja, quase 25%. Treinadores conhecidos nacionalmente e com passagem pela seleção foram, em número considerável, para países distantes dos grandes centros graças a colegas que abriram as portas com vitórias e flexibilidade no modo de trabalhar.

A passagem de Evaristo de Macedo pelo Catar, em 1992, é considerada determinante para a ida de mais treinadores brasileiros ao Oriente Médio e às demais regiões asiáticas. “Ele foi o primeiro técnico brasileiro a vir para cá, deixou uma boa imagem e abriu portas”, reconhece Caio Júnior, comandante do catarense Al-Gharafa.

“Os asiáticos veem os brasileiros de um jeito diferente porque participamos de marcos importantes para o futebol dos países daqui. São os casos de Evaristo de Macedo e, mais recentemente, Oswaldo de Oliveira no Japão”, avalia Sebastião Lazaroni, técnico do Qatar SC, que dirigiu a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1990. Evaristo levou a seleção catarense ao título inédito da Copa do Golfo Pérsico.

Oswaldo de Oliveira, campeão mundial de clubes com o Corinthians em 2000, acumula seis títulos em três anos à frente do Kashima Antlers. “Há uma predominância de brasileiros na Ásia porque os asiáticos apostam no nosso trabalho e na filosofia que desenvolvemos. Como os resultados aparecem, as oportunidades para outros treinadores surgem”, opina o treinador. Além das vitórias e títulos, a forma de se relacionar é outro ponto positivo em favor dos compatriotas de Oliveira, de acordo com um campeão mundial com a seleção brasileira.

“Os brasileiros se destacam pela forma de trabalhar com os jogadores e pelo conhecimento que possuem, pelo ambiente que criam. O brasileiro é de fácil adaptação, costuma fazer boas amizades em todos os lugares, adapta-se à cultura do país rapidamente e tem um jogo de cintura que outros técnicos não possuem”, afirma Luiz Felipe Scolari, hoje no Bunyodkor, do Uzbequistão.

O julgamento de Felipão é compartilhado por Lazaroni. “Acredito que os brasileiros se destacam na forma de lidar com os jogadores, por serem mais maleáveis e adotarem um esquema tático que permite ao time mais liberdade de criação. O técnico brasileiro também tenta criar alternativas quando enfrenta dificuldades e carências do clube”, lembra o ex-comandante de Flamengo, Vasco e Botafogo.

Divulgação
osw
Oswaldo e intérprete: lado a lado durante as partidas


Veja quem são os técnicos brasileiros na Liga dos Campeões da Ásia:

*Luiz Felipe Scolari (Felipão) – Bunyodkor (Uzbequistão)
Idade: 61 anos
Principais equipes que dirigiu: Seleção brasileira, Portugal, Grêmio, Palmeiras, Cruzeiro e Chelsea-ING
Principais conquistas: Copa do Mundo (2002), Copa Libertadores da América (1999), Campeonato Brasileiro (1996) e Copa do Brasil (1998)

*Oswaldo de Oliveira – Kashima Antlers (Japão)
Idade: 59 anos
Principais times que dirigiu: Corinthians, Vasco, São Paulo, Fluminense e Kashima
Principais conquistas: Mundial de Clubes (2000), Campeonato Brasileiro (1999) e Campeonato Japonês (2007, 2008 e 2009)

*Abel Braga – Al-Jazira (Emirados Árabes Unidos)
Idade: 57 anos
Principais times que dirigiu: Internacional, Vasco, Botafogo, Flamengo, Fluminense e Olympique de Marselha
Principais conquistas: Mundial de Clubes (2006), Copa Libertadores da América (2006) e  Campeonato Carioca (2004, 2005)

*Toninho Cerezo – Al-Ain (Emirados Árabes Unidos)
Idade: 54 anos
Principais times que dirigiu: Vitória, Guarani, Atlético-MG e Kashima Antlers
Principais conquistas: Campeonato Japonês (2000)

*Waldemar Lemos – Pohang Steelers (Coreia do Sul)
Idade: 55 anos
Principais times que dirigiu: Fluminense, Flamengo e Atlético-PR
Principais conquistas: Campeonato Carioca (2002)

*Caio Júnior –  Al-Gharafa (Catar)
Idade: 45 anos
Principais times que dirigiu: Palmeiras, Goiás e Flamengo
Principais conquistas: não tem

*Sérgio Farias – Al-Ahly (Arábia Saudita)
Idade: 42 anos
Principais equipes que dirigiu: Seleção brasileira de base, Juventus-SP, União Barbarense-SP e Pohang Steelers-COR
Principais conquistas: Liga dos Campeões da Ásia (2009), Campeonato Sul-Coreano (2008) e  Campeonato Brasileiro da Série C (2004)

Veja outros técnicos brasileiros que estão no futebol asiático:

*Paulo Autuori – Al Rayyan (Catar)
Idade: 53 anos
Principais equipes que dirigiu: Peru, Botafogo, Cruzeiro, São Paulo, Grêmio, Alianza-PER, Sporting Cristal-PER e Benfica-POR
Principais conquistas: Mundial de Clubes (2005), Copa Libertadores da América (1997 e 2005), Campeonato Brasileiro (1995) e Campeonato Peruano (2001 e 2002)

*Sebastião Lazaroni – Qatar SC (Catar)
Idade: 59 anos
Principais equipes que dirigiu: Seleção brasileira, Flamengo, Vasco,  Grêmio, Botafogo e Fiorentina-ITA
Principais conquistas: Copa América (1989) e Campeonato Carioca (1986, 1987 e 1988)

*Paulo Bonamigo – Al-Shabab (Emirados Árabes Unidos)
Idade: 49 anos
Principais times que dirigiu: Coritiba, Atlético-MG, Botafogo, Palmeiras, Goiás e Bahia
Principais conquistas: Campeonato Paranaense(2003) e Campeonato Cearense (2007)


Leia mais sobre: Técnicos Ásia Caio Jr. Luiz Felipe Scolari Oswaldo de Oliveira Abel Braga

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Divulgação

Lazaroni e Autuori

Lazaroni e Autuori
Ambos os treinadores trabalham hoje no Catar, depois de passar por clubes brasileiros

Topo
Contador de notícias