iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

05/08 - 15:49

Após falar com Furacão, Bonamigo usa grupo para ficar na Lusa

Técnico vem sendo criticado no comando da Lusa, mas ameniza vaias e diz que isso faz parte do futebol

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Minutos após a derrota por 1 a 0 para o Juventude, Paulo Bonamigo, nos vestiários, deve ter ouvido um torcedor que tentou invadir a área reservada à imprensa para gritar "Bonamigo, vai embora!" antes de ser empurrado por seguranças. Até deixar o Canindé, o técnico ainda ouviu uma série de coros, entre eles "Bonamigo, enterra sua mãe, não a Portuguesa". Irritação que contrasta com o interesse do Atlético-PR em seu trabalho.

Recentemente, o treinador foi procurado por dirigentes do clube paranaense para substituir o demitido Waldemar Lemos. A conversa não teve sequência e o comandante preferiu manter seu projeto na Lusa. Menos de uma semana depois, ouve protestos cada vez mais fortes para que o diretor de futebol Luis Iauca o dispense - durante o jogo, Bonamigo já era contestado nas tribunas.

"Estamos acostumados com este tipo de situação, por isso temos que sempre estar vencendo. No futebol cada vez mais dinâmico, os resultados influem mais do que o planejamento do trabalho. Há muita troca de técnicos", admitiu o técnico. "Tive duas ligações dos diretores do Atlético-PR, mas creio muito neste projeto da Portuguesa", continuou.

Se nos bastidores seu trabalho ganha mais questionamentos, mesmo ainda na zona de acesso para a Série A do Campeonato Brasileiro, o treinador se apoia no relacionamento com o elenco, que faz questão de passar força ao chefe. "O Bonamigo é um bom treinador e está junto com o grupo. Não é hora de trocar treinador", pediu Edno.

"Tenho tranqüilidade porque o sentimento de um técnico é em cima do seu grupo. Os treinadores são sempre avaliados em função dos resultados, mas tenho muita confiança neste grupo e no meu trabalho", consentiu Bonamigo, respirando aliviado.

Tentando mostrar calma, o comandante diz entender a reação raivosa dos torcedores como consequência de uma derrota em casa para um adversário que estava na zona de rebaixamento. "A torcida quer resultado, disposição, o time ganhando. Quando isso não acontece, as cobranças são normais", minimizou.

"O mais importante e o grande alerta é que não podemos perder em casa, independentemente se o adversário está na ponta ou na zona de rebaixamento. Quem quer subir não pode se dar o direito de perder pontos", completou, em discurso de acordo com os que pedem sua saída.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias