iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

14/07 - 11:12

Trabalhadores sul-africanos estipulam condições para fim da greve

Sindicatos admitem chegar a um acordo com os empregadores, mas devem apresentar novas exigências para retomarem obras nos estádios da Copa-2010

Levi Guimarães, enviado especial iG Esporte

CIDADE DO CABO (África do Sul) - Depois de quase uma semana de paralisação, os sindicatos de trabalhadores da África do Sul admitiram pela primeira vez a possibilidade de chegar a um acordo com as empresas empregadoras e, assim, retomar as obras nos estádios da Copa do Mundo de 2010.

As empresas não melhoraram a proposta de reajuste salarial (a atual oferta é de 11,5% de aumento, contra 13% exigido pelos trabalhadores), mas ainda assim os representantes dos operários começaram a considerar a possibilidade de encerrar a greve.

Maior sindicato do país, a União Nacional dos Mineradores (NUM) abriu as portas para uma nova negociação. “Os membros da NUM estão dispostos a aceitar a oferta, mas existem algumas condições que os empregadores deverão cumprir”, afirmou o comunicado da entidade. Contudo, não foi explicado quais condições seriam essas.

O representante de outro sindicato, a União dos Trabalhadores da Construção Civil, se mostrou otimista. “Acreditamos que estamos chegando muito perto de um acordo. Na próxima reunião esse acordo vai depender dos empregadores”, afirmou Narius Moloto.

A próxima rodada de negociações acontece nesta quarta-feira. Com seis dias de duração até o momento, a greve tirou 70 mil operários das obras de seis estádios que receberão jogos da Copa e atrapalhou também a construção de uma linha de metrô em Joanesburgo, além de outras melhorias na infraestrutura do país para receber o Mundial no próximo ano.


Leia mais sobre: África do Sul Copa do Mundo

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


AFP

Trabalhadores entram em greve e interrompem a construção dos estádios dos jogos da Copa do Mundo ...

Greve na África do Sul
Operários brecaram a construção dos estádios, mas estão dispostos a voltar a trabalhar

Topo
Contador de notícias