iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

16/02 - 19:05

Coronel Marinho nega interferência externa na arbitragem do clássico

Presidente da comissão de arbitragem garante que decisão da expulsão de Túlio se restringiu ao juiz e ao auxiliar

Gazeta Esportiva

SÃO PAULO - Presidente da comissão de arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF), o tenente-coronel Marcos Marinho garante que a decisão de expulsar o volante Túlio do clássico entre Corinthians e São Paulo partiu do árbitro José Henrique de Carvalho e do auxiliar Ednílson Corona.

Após a partida, o técnico Mano Menezes reclamou que Corona recebera uma instrução externa para indicar ao árbitro o cartão vermelho a Túlio. O jogador do Corinthians agrediu o zagueiro André Dias no primeiro tempo da partida, realizada domingo, no Morumbi.

"Não existe um quinto elemento com rádio da arbitragem", negou o tenente-coronel Marinho, em entrevista à Rádio Record. Os quatro rádios são utilizados pelo árbitro, seus dois auxiliares e o quarto árbitro. "Até há um quinto rádio, mas fica na maleta, trancado e usado em caso de defeito. A segurança é muito grande. É impossível interferir na comunicação deles", complementou.

Marinho ainda elogiou a atuação do auxiliar Ednílson Corona no lance. "Ele não levantou a bandeira na hora porque houve um contra-ataque do São Paulo. Não deu tempo suficiente para captar o lance. Dava para deixar a jogada seguir", defendeu o responsável pela arbitragem paulista. 

O tenente-coronel lembrou que Mano Menezes pode até ser punido pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) de São Paulo por levantar suspeita sobre a arbitragem. O diretor de futebol Mário Gobbi foi além e sugeriu a demissão de Marcos Marinho. "Não tenho nada a comentar sobre isso", evitou rebater.

Mário Gobbi seria julgado nesta segunda-feira por ofensas ao árbitro Flávio Rodrigues Guerra, que apitou o jogo entre Corinthians e Portuguesa, mas o departamento jurídico do clube conseguiu adiar a sessão para o dia 2 de março. A alegação é de que o dirigente não poderia comparecer ao julgamento por motivos profissionais.

Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo
Contador de notícias