iG - Internet Group

iBest

brTurbo

 

Futebol

25/07 - 10:29

Mesmo visado, Caio Júnior quer jogar mais pelas laterais

“Só fizemos gols de bola parada. Precisamos melhorar, criar mais chances pelos lados”, avaliou Caio Júnior

Gazeta Esportiva

RIO DE JANEIRO - Para grande parte dos espectadores do Campeonato Brasileiro, o segredo da boa campanha do Flamengo está nos seus laterais. Caio Júnior concorda.

Mas ainda não está amplamente satisfeito com as chances que seu time dá a Leonardo Moura na direita e Juan na esquerda. E promete trabalho neste quesito nos poucos treinos que serão realizados até o final de agosto.

A comprovação do técnico de que o Rubro-negro pode render mais pelos lados se deu principalmente após as derrotas para Coritiba e Vitória, quando a equipe, dona do melhor ataque da competição com 27 gols em 14 jogos, passou em branco no marcador.

A impressão foi confirmada mesmo na volta dos gols, no empate por 2 a 2 com a Portuguesa. “Só fizemos gols de bola parada. Precisamos melhorar, criar mais chances pelos lados”, avaliou Caio Júnior.

Um dos mais acionados e tido por seu técnico como o “melhor lateral do Brasil”, Juan concordou com o chefe em relação ao que aconteceu no Canindé. “A bola estava demorando para chegar em mim e quando chegava ficava fechado para atacar”, explicou o camisa 6.

Se a defesa adversária diminuiu os espaços na quarta-feira, não é sinal de que a grande artimanha flamenguista está mais visada e perto de ser solucionada pelos rivais? Juan é indiferente com a preocupação. “Isso é normal. Como temos atuado bem, é normal que eu, o Leonardo Moura e o Ibson tenhamos que enfrentar uma marcação especial”, ponderou.

Mais otimista, Caio Júnior não acredita que os outros times tenham descoberto a melhor maneira de bloquear o sistema ofensivo rubro-negro. “Não usamos muito as laterais contra a Portuguesa, mas eles acabaram sendo a nossa principal arma e é a nossa força”, reforçou o técnico.

“Mesmo sem marcar gols em dois jogos, ainda temos o melhor ataque do Brasileiro. Mas ainda temos que trabalhar mais nosso ataque”, finalizou o estatístico comandante na Gávea.


Leia mais sobre:

> Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


Topo