Tamanho do texto

O argentino passou em branco e a Argentina apenas empatou com a Islândia na Copa. O gênio do Barcelona desperdiçou cobrança de pênalti

Não foi o dia de Messi . O argentino tentou de todas as formas contra a organizada seleção da Islândia. Tentou driblando a marcação, fintando adversário por adversário e passando para os companheiros. Tentou na raça, na vontade, na ginga. A bola, no entanto, parou o tempo todo nas mãos do goleiro rival ou se perdeu pela linha de fundo. Haldórsson acertou o canto e impediu um pênalti cobrado por Lionel. Se existe inferno astral e falta de sorte, Messi viveu exatamente isso nesse sábado. Não era o jogo dele.

Leia também: Tempo e acréscimo

Messi em ação pela Argentina contra a Islândia na Copa do Mundo
FIFA/ Divulgação
Messi em ação pela Argentina contra a Islândia na Copa do Mundo



Messi classificou a então ameaçada Argentina com suas próprias forças, precisamos lembrar. Bateu no peito e decidiu, nas Eliminatórias. E é isso que sempre se cobrou do craque, de forma até automática: que ele jogue na seleção o que joga no Barcelona. E no clube os companheiros são outros; a sede é outra; as competições são outras; o clima; o tempo de trabalho; o entrosamento. É tudo completamente diferente. Começando, aliás, pelo treinador.

Leia também: Você já amou como eu amei

Jorge Sampaoli é treinador da seleção argentina
Reprodução
Jorge Sampaoli é treinador da seleção argentina


Sampaoli é ótimo. Pegou, no entanto, o grupo prestes do início do Mundial. Teve poucos jogos antes em continente sul-americano e não conseguiu implantar o que pensa. Gosta de jogar com três zagueiros, por exemplo, e não faz isso na Argentina. Monta a famosa linha de quatro, tão na moda agora como sempre esteve na história, e não surpreende adversários. A da Islândia, sim, impediu Messi. Era até linha de cinco, seis ou sete jogadores. Foi complicado penetrar na defesa para o argentino. No momento chave, Messi, como qualquer humano, falhou. O que não ocorreu com Cristiano Ronaldo.

Leia também: Recomeçar ou retrancar?

Cristiano Ronaldo, de Portugal
FIFA/ Divulgação
Cristiano Ronaldo, de Portugal


O português atua em seleção inferior tecnicamente. Desafiou uma das favoritas ao título: a Espanha. Marcou três gols e carregou o empate heroico. Sendo o último - um golaço - após cobrança de falta. E aí é inevitável: vieram as comparações. "Ronaldo é muito melhor do que Messi", "Ronaldo é mais decisivo do que Messi", "Ronaldo cresce no momento de dificuldade; Messi cai". Eu prefiro esperar. Acho injusto definir dois gênios. São gigantes, cada um com seu tamanho e qualidade, de formas diferentes. E são gênios, porém. Não se define gênio.

Leia também: Sim, senhor: craque

Messi lamenta pênalti perdido
Reprodução/Twitter
Messi lamenta pênalti perdido


Nem Messi e nem Cristiano Ronaldo ganharam Copa do Mundo. Messi chegou mais perto, no ano passado . Mas não conquistou título importante pela Argentina. Cristiano Ronaldo, no entanto, ergueu a Europa. Não chegou, porém, tão longe na principal competição do planeta. Sempre tem um mas, um no entanto, um todavia que tente desqualificar qualquer um dos dois.


Eu prefiro esperar. E ver, claro, apreciando tanta qualidade com a bola dos pés. Me encantando mais do que julgando.

    Leia tudo sobre: Lionel Messi