Tamanho do texto

O Tricolor empatou por dois dois com o Atlético Paranaense e foi eliminado da Copa do Brasil. A crônica de hoje é sobre o momento do Tricolor.

O São Paulo jogou bem. Mas sou de um tempo em que o São Paulo jogava sempre muito bem. E geralmente era quem eliminava, e não o contrário. Vi jogadores sonhando com a possibilidade de vestir a camisa. Assisti atletas correndo lesionados. Acompanhei gente comendo grama, engolindo chuteira, mordendo a bola. Hoje vejo pedirem Cueva. E implorarem por e para Cueva.

Matheus Rosseto comemora gol que classificou o Atlético-PR
Reprodução
Matheus Rosseto comemora gol que classificou o Atlético-PR

E foi o momento que mais me machucou. A torcida gritar o nome de um sujeito que não demonstra a mínima vontade de estar lá. Cueva é o oposto do ídolo. É o contrário de Rai, Kaká e Hernanes. Não é possível que o sentimento por ele seja minimamente semelhante. Ou uma aposta, sequer.

Leia também: Atlético-PR reage, empata com São Paulo e avança na Copa do Brasil

Nasci quando Telê renascia. Cresci quando Rai ergueu. Aprendi quando Ceni ensinava. Evolui enquanto Luís Fabiano calava. Aprendi a gostar do jogo quando Müller dava as cartas. Quando Cicinho cruzava. Luizão marcava. Amoroso desmascarava. Mineiro conquistava o mundo.

Sou do tempo que Marcelo Portugal reinava. Não de hoje, quando Leco se cala. Sou de quando Kaká arrancava. Hernanes chutava. Muricy mandava. Josué desarmava. Lugano cortava. Júnior se esforçava. Danilo passava. Cerezo experimentava. O São Paulo ganhava.

Por isso não fico feliz com o que aconteceu no Morumbi. Gritar por Cueva é calar por todos eles. E Cueva é o que tem de melhor no péssimo planejamento de Leco e companhia. Leco, sim, mestre na arte de silenciar. O gigante e recentemente mudo Morumbi de tantos títulos. Não merece berrar por Cueva quem tantas vezes disse "é, campeão". É pouco, gigante. É quase nada e você não vê diante dessa neblina pouco planejada.

Você é Silas. Palhinha. Pintado. Você é Zetti. Cafu. Antonio Carlos. Você é Ronaldão. Fabão. Simplicio. Você até é Dagoberto. Borges. Jorge Wagner. Você é Careca. Você é Waldir Peres. Você é o São Paulo.

Você nunca foi Leco. E jamais será depois de um tempo.

Você é o campeão. E não o eliminado.