Tamanho do texto

iG Esporte acompanhou partida junto à torcedores na cidade de São Francisco, para onde a franquia retorna a partir da próxima temporada

Stephen Curry fazendo número 1 com a mão
NBA Photo
Stephen Curry conduziu o Warriors para a vitória diante do Raptors, em Toronto

O Golden State Warriors venceu o jogo 5 da final do NBA no Canadá e diminuiu a diferença para o Toronto Raptors, que ainda lidera a série por 3 jogos a 2. A partida foi acirrada, mas a franquia da Califórnia conseguiu vencer por 106 x 105 graças ao bom aproveitamento de chutes do perímetro e ao retorno de Kevin Durant, que jogou quase todo o primeiro tempo antes de voltar a sentir uma lesão.

Leia também:Assistir às finais da NBA na primeira fileira custa até R$ 370 mil; veja valores

A torcida do atual bicampeão parece ter motivos de sobra para acreditar em uma virada diante dos canadenses. Nossa reportagem acompanhou a vitória dos Warriors em um bar local na cidade de São Francisco, que foi a sede oficial da franquia entre 1962 e 1971 e voltará a receber o time comandado por Steve Kerr a partir da próxima temporada. O Chase Center, que está nos últimos detalhes da construção, promete ser o mais moderno ginásio dos esportes americanos.

Em uma cidade famosa pelos turismo e pelos imigrantes, encontramos o lugar ideal para acompanhar os adeptos no Zekis Bar, perto do Distrito Financeiro da cidade. Pequeno, escuro e sem grandes decorações, o lugar é uma espécie de refúgio para locais que querem acompanhar o time da moda do basquete sem serem "incomodados" por torcedores de ocasião.

Além disso, a partida, que foi disputada no Canadá, aconteceu às 18h no horário local, por conta da diferença de horário entre a cidade da Califórnia e o vizinho do norte. Portanto, as pessoas saíram direto do trabalho para acompanhar o duelo. Muitas acabaram chegando atrasadas, perdendo os primeiros minutos do jogo.

SF
Divulgação
Preparada para voltar a ser sede dos Warriors, São Francisco abraçou o time durante sua longa estadia em Oakland

A relação da população de São Francisco com a franquia do Golden State é bastante curiosa: ao invés de tratar um time como um "traídor" da cidade, o povo comprou a ideia do clube, que se propôs a ser uma marca estadual. Localizados, desde 1971, na vizinha Oakland, os Warriors nunca perderam o apoio de sua ex-casa.

Durante a manhã, passamos na loja oficial do time, que fica no Shopping Westifield e vimos, além de muitos turistas, torcedores confiantes em uma virada na final. "Nós já levamos uma virada dessas (contra o Cleveland Cavaliers na final de 2015-16) e podemos fazer o mesmo agora", explicou um adepto.

No Zekis Bar, o sentimento era o mesmo e, no primeiro quarto, após cinco bolas de três pontos caírem em sequência, a massa celebrou a liderança no placar e, principalmente, a volta de Kevin Durant, que ficou nove jogos de fora por conta de uma lesão na panturrilha. "Agora com KD eles não tem chance", celebrou um jovem.

A vantagem de seis pontos conseguida no primeiro quarto se manteve após o final do segundo. No entanto, o ala do time californiano voltou a sentir a lesão e foi obrigado a deixar a quadra. Os californianos ficaram revoltados com a reação dos canadenses no ginásio, que vibraram quando o astro do adversário foi ao chão.

Sem uma de suas estrelas, o Warriors se manteve bem no perímetro com Curry e Thompson e contou com boa atuação de Cousins, que veio do banco. A vantagem seguia exatamente a mesma no final do terceiro quarto, mas a confiança da torcida parecia minguar.

"Esses caras não sabem arremessar por nada", reclamou uma torcedora. A equipe terminou a partida com 46% de aproveitamento nos arremessos de quadra e incríveis 47% nos tiros de 3 pontos. "Muitos erros infantis. Muitos turnovers", lamentou um senhor de idade.

O sentimento pareceu refletir na quadra e, comandados pelo atro Kawhi Leonard, os Raptors foram para cima e conseguiram a virada. Após duas bolas de três pontos seguidas do ala, os canadenses abriram 103x97. Nervosos e gritando muito até então, os torcedores do Warriors ficaram em completo silêncio após a queda do último arremesso de Kawhi, praticamente aceitando a derrota na partida e, consequentemente, do campeonato.

Leia também: De 'Jurassic Park' ao topo da NBA: Conheça a história do Toronto Raptors

No entanto, três bolas de três pontos consecutivas, duas de Thompson e uma de Curry, fizeram o pequeno bar explodir de alegria e gritos eufóricos. "Vocês não tem como marcá-los. Vocês não tem o que fazer", celebraram dois amigos.

Após mais uma cesta dos Raptors, os Warriors lideravam com poucos segundo no relógio e tinham a posse de bola, mas uma falta de ataque de Cousins devolveu a bola para os adversários, para desespero da torcida.

Dessa vez, ao invés do silêncio, os adeptos preferiram adotar a estratégia dos ginásio, e gritam "defense" para que os atletas ouvissem o clamor do Canadá. A estratégia deu certo, os donos da casa desperdiçaram a última bola e o atual bicampeão da maior liga de basquete do mundo seguiram vivos na temporada 2018-2019.

Em uma São Francisco que está de braços abertos para o retorno dos Warriors , os torcedores não se deram muito tempo para celebrar a vitória e esvaziaram o Zekis Bar em menos de 20 minutos. Em plena noite segunda-feira no Vale do Silício, a maioria dos torcedores mais jovens já parecia mais preocupada com o retorno ao trabalho no dia seguinte.

    Leia tudo sobre: NBA