Tamanho do texto

Desfalcado de Derrick Rose e Joakim Noah, time de Chicago recebe apoio da maioria do ginásio carioca e vence equipe de Nenê, vaiado em quadra

O pivô Nenê Hilário, do Washington, briga pela bola com Jimmy Butler e Carlos Boozer, do Chicago
Ernesto Carriço/Agência O Dia
O pivô Nenê Hilário, do Washington, briga pela bola com Jimmy Butler e Carlos Boozer, do Chicago

A expectativa que alguns dos jogadores do Chicago Bulls tinham desde o início da passagem deles pelo Brasil foi confirmada neste sábado. O apoio da maior parte do público de 13.635 pessoas na HSBC Arena, no Rio de Janeiro, fez com que o time jogasse como se estivesse em casa contra o Washington Wizards. Em partida definida apenas no último segundo, o Bulls venceu por 83 a 81.

O que você achou do confronto entre Bulls e Wizards no Rio de Janeiro? Comente

Os seis títulos conquistados durante os anos 1990 com Michael Jordan e Scottie Pippen influenciaram bastante no fato de o Bulls ter mais torcida do que o Wizards. Outro ponto importante foi as vaias que Nenê recebeu do público, que pareceu não ter esquecido as recentes ausências do pivô na seleção brasileira.


O ala-pivô Taj Gibson saiu do banco para ser o principal jogador do time de Chicago, com 18 pontos e oito rebotes. O ala Jimmy Butler somou 11 pontos e seis rebotes. No Wizards, o maior cestinha foi o ala-armador Bradley Beal, que marcou 16 pontos. Já Nenê teve cinco pontos e seis rebotes nos 20 minutos em que esteve em quadra.

Veja ainda: Torcida no Rio de Janeiro vaia Nenê e se levanta para aplaudir Oscar

Os fãs do Bulls no ginásio não puderam acompanhar duas das principais estrelas do time em ação: lesionados, o armador Derrick Rose e o pivô Joakim Noah não entraram em quadra. Ainda assim, conseguiram demonstrar a paixão pelo time quando quatro ex-campeões pela franquia entraram em quadra: Pippen, Horace Grant, John Paxson e Randy Brown.

O Bulls assumiu o controle do jogo logo no início. Fez a primeira cesta do duelo e rapidamente se estabeleceu na dianteira do placar, graças à forte defesa que conseguiu emplacar sobre o rival, que via Bradley Beal ficar sobrecarregado no ataque. A vantagem ao longo do primeiro quarto chegou a ser de 13 pontos. No segundo período, o Wizards reagiu e chegou até a empatar, mas a igualdade durou pouco. O time de Chicago voltou a ficar à frente já na pose de bola seguinte e foi para o intervalo vencendo por nove pontos: 44 a 35.

E mais: Principal estrela do Bulls, Rose sente o joelho e não joga no Brasil

A situação não mudou quando as equipes voltaram à quadra para a segunda metade do duelo. O Bulls continuou na frente, abriu liderança de dois dígitos e parecia que venceria com tranquilidade. O Wizards, porém, se aproveitou dos erros dos reservas do oponente e reagiu. Chegou até a passar à frente com uma bola de três pontos de Glen Rice Jr. no último quarto.

Filho de ex-astro da NBA busca espaço no Wizards e evita se comparar ao pai

Depois de um pedido de tempo, a equipe de Chicago se recuperou e voltou a tomar a liderança do jogo. No fim, contou com um arremesso errado de três pontos do armador Eric Maynor, do Wizards, para ficar com a vitória.

    Leia tudo sobre: NBA
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.