Tamanho do texto

Relembre alguns dos grandes momentos da competição que terminou no último domingo

O mais tradicional rali do planeta terminou nesse domingo (15), após 15 dias de competição acirrada. O Rali Dakar teve início no dia 1º de janeiro, na cidade de Mar del Plata, na Argentina, com mais de 400 veículos participantes, entre carros, motos, quadriciclos e caminhões. Representantes de todos os continentes percorreram os mais de 8 mil quilômetros de prova. Dentre eles, 13 brasileiros.

Leia também: Conheça todos os campeões do Rali Dakar 2012

Os competidores enfrentaram calor, chuvas, atravessaram desertos, montanhas, dunas e passaram por cenários paradisíacos para completar o percurso. Mas não sem protagonizarem acidentes e polêmicas. O desfecho aconteceu na cidade de Lima, no Peru, com menos de 250 veículos ainda na competição.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Relembre momentos marcantes da edição 2012 do Rali Dakar:

Início trágico

O rali teve um início marcado por acidentes. Logo na primeira especial, de apenas 57 quilômetros, o piloto argentino de moto Jorge Boero sofreu um grave acidente, chegou a ser levado para um hospital de Mar del Plata, mas não resistiu às lesões e morreu .

Ainda nos primeiros dias, mais sustos. O piloto francês Bruno da Costa, também competindo de moto, atropelou uma vaca durante a segunda etapa , resultando em fraturas em sua espinha dorsal e um hematoma interno. No mesmo dia, outro francês, Sébastien Coué, caiu de sua moto no meio das dunas de Nihuil e teve um grave quadro de insolação, sendo internado em coma no hospital da cidade de San Rafae l.

Durante a terceira especial, foi a vez do brasileiro Ike Klaumann chocar-se com uma pedra, sendo lançado para longe com sua moto. Ele bateu forte as costas e não conseguia mexer as pernas. Mas, após ser levado ao hospital, foi constatado em exames que não havia ferimentos graves.

Argentino Jorge Boero morreu no primeiro dia do Rali Dakar
AP
Argentino Jorge Boero morreu no primeiro dia do Rali Dakar

Polêmicas

A edição 2012 do Dakar também foi repleta de polêmicas. O campeão das motos, Cyril Despres, foi um dos principais protagonistas, se envolvendo em duas confusões no mesmo dia. Primeiro, o francês ficou atolado em um lamaçal na oitava etapa e recebeu ajuda do piloto português Paulo Gonçalves para retirar sua moto do local. No entanto, Despres não retribuiu o auxílio e continuou seu trajeto, deixando Gonçalves, ainda atolado, para trás.

Ainda naquele dia, a organização do rali decidiu devolver aos participantes que ficaram atolados o tempo desperdiçado, que, no caso de Despres, foi de mais de oito minutos. Com isso, o então líder, o espanhol Marc Coma, viu sua vantagem para o francês cair para apenas 1min26s e reclamou muito . "É difícil entender a decisão que eles tomaram hoje. O rali sempre premiou quem supera as dificuldades encontradas, e, nesse caso, frente à dificuldade, devolveram o tempo aos primeiros pilotos e, a mim, eles dizem que não podem me dar tempo porque eu passei bem. É ir contra o espírito do rali", disse Coma na ocasião.

Outro caso polêmico foi o abandono do navegador norte-americano Andy Grider após a quinta etapa, em que sua dupla havia chegado na segunda colocação. Com a saída de Grider, o piloto argentino Orly Terranova também teve que deixar a competição e afirmou que o navegador havia saído para resolver problemas pessoais. No entanto, mais tarde, o norte-americano admitiu que o motivo de seu abandono foi um problema de relacionamento com o argentino, que havia lhe insultado.

Robby Gordon protagonizou outro episódio controverso. Ele foi excluído da competição após a nona etapa, quando se encontrava em segundo na classificação geral entre os carros, por seu veículo não estar em conformidade técnica com o regulamento. Gordon ficou inconformado, apelou à justiça, continuou correndo e agora aguarda decisão para validar seus tempos. Indignado, Robby criticou a organização e disparou contra os adversários.

Campeão, Cyril Despres foi também alvo de diversas polêmicas durante a competição
EFE
Campeão, Cyril Despres foi também alvo de diversas polêmicas durante a competição

Despres é tetra e Peterhansel chega ao décimo título

O Dakar deste ano consagrou campeões bem experientes . Nas motos, Cyril Despres foi tetracampeão após uma disputa acirrada por toda a competição com o espanhol Marc Coma, em que os dois se revezaram na liderança da classificação geral.

Stephane Peterhansel confirmou o favoritismo entre os carros e alcançou seu décimo título do Dakar. O francês, acompanhado pelo co-piloto Jean-Paul Cottret, liderou a competição por quase todas as etapas e terminou o rali com uma vantagem de 41minutos em relação ao segundo colocado, o espanhol Joan “Nani” Roma.

Entre os quadriciclos, domínio total dos irmãos argentinos Alejandro e Marcos Patronelli. O primeiro ficou com o título, enquanto o segundo foi vice-campeão. Nos caminhões, vitória do trio comandado pelo holandês Gerard de Rooy, que conseguiu manter uma boa vantagem sobre o segundo colocado, Hans Stacey.

Stephane Peterhansel (dir) e o co-piloto Jean Paul Cottret (esq) foram os campeões entre os carros
AP
Stephane Peterhansel (dir) e o co-piloto Jean Paul Cottret (esq) foram os campeões entre os carros

Brasileiros no Dakar

Felipe Zanol foi o destaque brasileiro na competição. O piloto terminou em décimo na classificação geral de motos e chegou a ficar em sexto na 11ª etapa , sua melhor participação no rali. Além dele, mais três brasileiros completaram o rali de moto: Zé Hélio Rodrigues ficou em 19º, Denísio do Nascimento terminou em 24º e Dimas Mattos, em 57º.

Nos caminhões, o trio comandado por André de Azevedo teve um ótimo desempenho na 13ª especial , chegando em segundo. No final, ficaram em oitavo na classificação geral da categoria.

Entre os carros, Guilherme Spinelli e Youssef Haddad estavam em 13º quando chegaram à quinta etapa. Porém, ficaram cinco horas parados na quinta especial por problemas no carro e caíram para a 99ª colocação. Mesmo tendo completado a etapa, decidiram abandonar o rali. Únicos brasileiros restantes na categoria, Jean de Azevedo e Emerson Cavassin terminaram em 23º lugar na classificação geral. A categoria de quadriciclos foi a única que não contou com a participação de pilotos do Brasil.

Felipe Zanol foi o destaque brasileiro na categoria motos
EFE
Felipe Zanol foi o destaque brasileiro na categoria motos

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.