Tamanho do texto

Francês domina a primeira corrida da temporada e vence de ponta a ponta

O que se viu na F1 se repete na GP2: os pneus Pirelli, que transformaram a elite do automobilismo com corridas emocionantes, trouxeram a mesma agitação para a categoria de acesso. Apesar de Romain Grosjean ter largado na ponta e vencido a corrida, não faltou animação na prova.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

O francês da Dams foi pressionado nas últimas voltas por Sam Bird, da iSport, e por pouco não perdeu a vitória nas últimas curvas, ao errar no contorno para o S que encerra o circuito. Bird cruzou a linha de chegada apenas 0s3 atrás de Romain, campeão da GP2 Ásia deste ano.

Depois de um início de prova ruim, em que caiu para o pelotão intermediário, chegando a andar atrás de Davide Valsecchi, companheiro de equipe que largou doze posições atrás, Luiz Razia recuperou postos e terminou em sexto.

A corrida começou com um susto: logo na curva 2, Esteban Gutiérrez errou, perdeu o controle do carro e atingiu Max Chilton, quase capotando em seguida. O mexicano da Lotus ART, então, deixou a corrida. Metros depois, Fabio Leimer tocou Kevin Mirocha e capotou. Leimer e Chilton também abandonaram. Apesar da capotagem, Fabio foi rapidamente liberado do centro médico e conversava com a cúpula da Rapax no pitlane ainda durante a corrida.

À medida que as voltas passavam, ficava claro o desgaste excessivo dos pneus dos carros da Racing Engineering. Tanto Dani Clos quanto Christian Vietoris perderam rendimento muito rápido. O espanhol, que largou em segundo, caía a cada volta.

Se Dani perdia posições, Luca Filippi seguia no sentido inverso. O italiano perdeu postos na largada, mas os recuperava rapidamente. Na volta 15, foi vítima de um erro feio de Johnny Cecotto Jr. O venezuelano errou na saída da curva 8, tocou a grama, escorregou e voltou descontrolado à pista, atingindo a suspensão traseira de Filippi.

Kevin Mirocha aproveitou o fato de ter parado na primeira volta para trocar o bico, após o toque com Leimer, e já aparecia em segundo na metade da corrida. Como não trocou pneus àquela altura, ainda tinha de ir aos boxes. Quando o fez, caiu para 17º.

O trato dos pneus se mostrou importantíssimo na Turquia. Alguns carros, caso de Giedo Van der Garde e Clos, apresentavam desgaste excessivo e queda forte no rendimento. Bianchi, por exemplo, chegou ao pódio depois de ultrapassar Giedo muito facilmente, sendo 2s mais rápido por volta.

Em episódio semelhante ao que causou a batida de Mikhail Aleshin no treino livre 1, Clos freou tarde demais na curva 12, passou reto e foi na brita, perdendo duas posições. O erro de Dani fez com que Luiz Razia subisse para a terceira colocação. O espanhol pôde voltar à pista — ao contrário do que aconteceu com Aleshin, que fraturou a mão.

Enquanto isso, lá na frente, Bird diminuía gradativamente a desvantagem para Grosjean. A quatro voltas do fim, a diferença havia caído de 3s para 0s8. Na última volta, Grosjean adotou uma postura mais cautelosa, errou nas últimas curvas e por pouco não perdeu a primeira posição.

Campeonato

Grosjean lidera a temporada com 11 pontos, seguido por Bird, que marcou nove. Bianchi tem seis, Van der Garde cinco, Stefano Coletti quatro, Razia três, Charles Pic dois e Dani Clos um.

Clos, que terminou em oitavo, larga na pole na corrida 2, que acontece às 5h30 de Brasília, neste domingo (8). Razia sai na terceira posição.