Tamanho do texto

Alemão não resistiu à pressão do britânico, que passou três pilotos nas voltas finais. Massa foi sexto e Barrichello, nono

O primeiro erro de Sebastian Vettel na temporada não foi perdoado . O alemão espalhou na última volta do emocionante Grande Prêmio do Canadá disputado neste domingo (12) e foi ultrapassado por Jenson Button, que venceu sua primeira prova neste ano . O líder do Mundial de Pilotos chegou em segundo, seguido por seu companheiro de equipe, Mark Webber. A vitória do britânico foi confirmada pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) depois que os fiscais inocentaram o piloto dos incidentes com Alonso e Hamilton.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

As mudanças climáticas deram o tom da corrida. A prova começou com pista molhada e safety car, mas sem chuva. Depois da largada, porém, o temporal voltou e o GP foi interrompido com bandeira vermelha na 25ª volta . A corrida retornou cerca de duas horas depois, com a pista ainda molhada. Com o tempo, o traçado foi secando e muitos acidentes aconteceram em disputas por posição.

Lewis Hamilton e Fernando Alonso estão entre os que tiveram suas corridas abreviadas por conta de batidas. Felipe Massa também pagou caro por um erro – chegou a liderar a prova, mas terminou em sexto, em chegada emocionante, na qual ultrapassou Kamui Kobayashi nos metros finais. Rubens Barrichello manteve-se no pelotão intermediário durante toda a corrida e terminou em nono .

Com pista molhada, largada é com safety car

Quando o Grande Prêmio do Canadá começou, não chovia no local. Porém, a pista estava muito molhada, o que fez com que a organização da prova optasse por uma largada com safety car.

O carro de segurança deixou a pista na quinta volta. Fernando Alonso partiu para o ataque a Sebastian Vettel, mas o alemão conseguiu se defender. Mark Webber não deu a mesma sorte: o australiano sofreu um toque de Lewis Hamilton , que tentou ultrapassá-lo pela quarta colocação, e caiu para 14º. O britânico caiu para sétimo, mas logo ultrapassou seu companheiro de equipe, Jenson Button, e assumiu a sexta posição.

Assim como aconteceu em Mônaco , Hamilton manteve sua postura agressiva . Ao tentar ultrapassar Michael Schumacher, o britânico errou a freada, espalhou na curva e perdeu posição para Button. Na oitava volta, em novo ataque sobre seu companheiro de equipe, Hamilton tocou o carro do colega e furou seu pneu, decretando o fim de sua corrida. O incidente também forçou a entrada de Button nos boxes e o retorno do safety car à pista.

Dessa vez, quando o carro de segurança voltou para os boxes – na 13ª volta – Vettel não teve problemas para manter sua posição. Button recebeu uma punição de drive-through por ter excedido o limite de velocidade no período de bandeira amarela e voltou na 14ª colocação, mas logo ganhou uma posição ao ultrapassar Rubens Barrichello.

Na 20ª volta, quando pilotos como Fernando Alonso, Jenson Button e Barrichello já tinham colocado pneus intermediários, a chuva voltou, e com ela o safety car. Os três tiveram de retornar aos boxes para colocar pneus de chuva novamente.

Com a entrada do carro de segurança, os pilotos aproveitaram para colocar novos pneus de chuva. Sebastian Vettel manteve a ponta, com Kamui Kobayashi e Felipe Massa na sequência. Porém, na 25ª volta, a chuva apertou e não deu trégua, fazendo com que a organização optasse por interromper a corrida.


Reinício com safety car

A prova foi retomada somente às 16h50 (de Brasília), cerca de duas horas após a parada. Porém, com a pista molhada, o recomeço foi com safety car. O veículo ficou na pista por dez voltas e se recolheu na 35ª. Logo no reinício, Massa conseguiu passar Kobayashi, mas o japonês devolveu a manobra na curva seguinte.

Os pilotos começaram a ir para os boxes para colocar os pneus intermediários. Alonso foi um dos que pararam e, na volta, o espanhol sofreu toque de Button, que tentava ultrapassá-lo, rodou e bateu, abandonando a prova . O safety car teve de voltar, e o britânico retornou para os boxes com seu bico e seu pneu dianteiro esquerdo danificados.

O carro de segurança deixou a pista na 41ª volta, e novamente Vettel não teve problemas para manter sua liderança. Enquanto os pilotos brigavam por posições intermediárias, o alemão disparava na frente. Na 46ª volta, os comissários de prova autorizaram o uso da asa traseira móvel para tentar auxiliar nas ultrapassagens.

No 51º giro, a medida deu resultado. Michael Schumacher aproveitou-se da disputa de posições de Kobayashi e Massa para assumir a segunda colocação . O brasileiro passou o japonês e manteve-se em terceiro. O piloto da Sauber caiu para a quarta posição.

Logo após a manobra do heptacampeão mundial, Schumacher e Massa foram para os boxes para colocarem pneus supermacios. Na saída, o brasileiro tentou ultrapassar um retardatário e acabou passando seu carro por um trecho molhado . O piloto perdeu o controle do bólido e bateu. O ferrarista teve de retornar para a garagem, voltando para a pista na 12ª posição.

Ao fim da rodada de pit stops, Vettel manteve a liderança e passou a ser seguido por Schumacher, Webber e Button.

Button renasce, passa três e vence

Na 57ª volta, acidente de Heidfeld provocou nova entrada do safety car na pista. O carro voltou para a garagem no giro 61. Mais uma vez, Vettel disparou na liderança, e Schumacher, Webber e Button passaram a brigar pelas posições seguintes. Na 65ª volta, o australiano errou a freada e perdeu posição para o britânico. No giro seguinte, o piloto da McLaren ultrapassou Schumacher e assumiu a segunda colocação. Webber também passou o alemão.

A partir daí, Button começou a atacar Vettel, fazendo as voltas mais rápidas de toda a corrida nos giros finais. A pressão foi demais para o alemão, que, na última volta, errou e acabou ultrapassado pelo britânico. Foi a segunda vitória da McLaren na temporada, já que Hamilton havia vencido o GP da China. As outras cinco corridas do ano foram vencidas por Vettel.

Confira o resultado final do Grande Prêmio do Canadá

1 – Jenson Button (GBR) – McLaren
2 – Sebastian Vettel (ALE) – Red Bull – a 2s7
3 – Mark Webber (AUS) – Red Bull – a 13s8
4 – Michael Schumacher (ALE) – Mercedes – a 14s2
5 – Vitaly Petrov (RUS) – Lotus Renault – a 20s3
6 – Felipe Massa (BRA) – Ferrari – a 33s2
7 – Kamui Kobayashi (JAP) – Sauber – a 33s2
8 – Jaime Alguersuari (ESP) – Toro Rosso – a 35s9
9 – Rubens Barrichello (BRA) – Williams – a 45s1
10 – Sébastien Buemi (SUI) – Toro Rosso – a 47s
11 – Nico Rosberg (ALE) – Mercedes – a 50s4
12 – Pedro de la Rosa (ESP) – Sauber – a 1min03s6
13 – Vitantonio Liuzzi (ITA) – Hispania – a 1 volta
14 – Jérôme D’Ambrosio (BEL) – Virgin – a 1 volta
15 – Timo Glock (ALE) – Virgin – a 1 volta
16 – Jarno Trulli (ITA) – Team Lotus – a 1 volta
17 – Narain Karthikeyan (IND) – Hispania – a 1 volta*
18 – Paul di Resta (GBR) – Force India – Abandonou
19 – Pastor Maldonado (VEN) – Williams – Abandonou
20 – Nick Heidfeld (ALE) – Lotus Renault – Abandonou
21 – Adrian Sutil (ALE) – Force India – Abandonou
22 – Fernando Alonso (ESP) – Ferrari – Abandonou
23 – Heikki Kovalainen (FIN) – Team Lotus – Abandonou
24 – Lewis Hamilton (GBR) – McLaren – Abandonou

* Punido após a prova

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.