Tamanho do texto

Líder isolada do Mundial de Construtores, a equipe taurina admite que o sistema é o seu ponto fraco

Apesar da liderança folgada no Mundial de Construtores – e da vantagem de Sebastian Vettel no Mundial de Pilotos –, a Red Bull também tem seus pontos fracos. E o principal deles é o KERS, sistema que custou alguns pontos para a escuderia nesta temporada – principalmente para Mark Webber.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

O KERS é uma das novidades implantadas na Fórmula 1 em 2011. A sigla significa Sistema de Recuperação de Energia Cinética. Trata-se de uma bateria que armazena o calor desperdiçado em curvas e freadas e o transforma em potência quando o piloto aciona o dispositivo. O sistema era permitido em 2009, mas, como a Red Bull não o utilizou naquela temporada, saiu em desvantagem no desenvolvimento para este ano.

Por isso, a equipe austríaca não pôde usar o recurso no Grande Prêmio de estreia da temporada, na Austrália. Mesmo assim, Sebastian Vettel iniciou o campeonato com o pé direito, fazendo pole e vencendo em Melbourne.

Mark Webber já teve diversos problemas com o KERS nesta temporada
Getty Images
Mark Webber já teve diversos problemas com o KERS nesta temporada





Na segunda etapa do campeonato, na Malásia , Vettel mais uma vez superou as dificuldades com o KERS da equipe, cravou a pole e venceu a prova. Webber, porém, não teve a mesma sorte. Após largar na terceira posição, o australiano teve problemas com seu KERS logo no início do GP e caiu para a décima colocação. Depois da prova, Webber queixou-se do problema.

Na semana seguinte ao GP da Malásia, Adrian Newey, diretor técnico da Red Bull, admitiu que a equipe passava por dificuldades para desenvolver o KERS. Ciente de que sua escuderia estava trabalhando na causa, Webber declarou que contava com o sistema para melhorar.

Chegou o Grande Prêmio da China e, com ele, a primeira derrota da Red Bull na temporada. Nas voltas finais, Sebastian Vettel foi superado por Lewis Hamilton. Depois daquela corrida, a equipe teve três semanas para tentar consertar definitivamente seu KERS .

Principal prejudicado pelo problema, Webber pediu que o desenvolvimento do sistema fosse a prioridade neste período sem corridas . O australiano foi atendido. Consultor de esportes a motor da Red Bull, Helmut Marko anunciou que as falhas no KERS da escuderia estavam resolvidas .

No Grande Prêmio da Turquia , quarta etapa do campeonato, a Red Bull conseguiu sua única dobradinha da temporada, com Sebastian Vettel em primeiro e Mark Webber em segundo. Os pilotos disseram que o KERS funcionou normalmente durante todo o fim de semana . O principal problema da escuderia parecia resolvido.

Porém, a falha estava somente adormecida. Sem problemas na Espanha e em Mônaco, o KERS da Red Bull voltou à pauta em Montreal. No último fim de semana, Webber ficou de fora da terceira sessão de treinos livres para o Grande Prêmio do Canadá por conta de problemas no KERS.

O australiano voltou a queixar-se do sistema no treino classificatório , no qual conseguiu apenas o quarto melhor tempo – enquanto isso, seu companheiro de equipe largaria na pole mais uma vez.

Após a prova em Montreal, a polêmica segue. Nesta semana, Vettel e Newey deram declarações concordando que o KERS é o ponto fraco da equipe . O alemão, porém, tem menos para reclamar do que Webber, que, também por conta das falhas do sistema, ocupa a 3ª posição no Mundial, com 94 pontos, sete a menos do que Button e 67 a menos do que Vettel.

Veja a história do KERS da Red Bull na temporada pelas aspas dos membros da equipe:

Sebastian Vettel , 9 de abril, depois do classificatório para o GP da Malásia - “Quero elogiar os caras da equipe, especialmente os que trabalharam no KERS, eles trabalharam muito desde a Austrália. Se não tivéssemos o sistema hoje, não estaria nesta posição”

Mark Webber , 10 de abril, depois do GP da Malásia - “Não foi uma boa largada e nós tivemos uma falha no KERS. Nas três ou quatro primeiras voltas, eu estava tentando ultrapassar, mas eles voltavam e me passavam. Era difícil me distanciar sem o KERS”

Christian Horner , 18 de abril, depois do GP da China - "O KERS funcionou muito bem no começo da corrida e trabalhou intermitentemente na metade final da prova. Temos três semanas para trabalhar duro antes para termos certeza de que na Turquia o sistema vai funcionar em todas as voltas”

Mark Webber , 22 de abril, no intervalo entre os GPs da China e da Turquia - “No topo da lista de trabalhos está o KERS, que continuou nos dando problemas na China. É um componente chave na Fórmula 1 neste ano, e a Red Bull ainda não está com o sistema pronto. Não usamos o KERS em 2009 e planejamos alcançar equipes como McLaren e Ferrari, que o fizeram”

Helmut Marko , 4 de maio, dias antes do GP da Turquia - “ Nosso KERS está ok, ao longo da Páscoa nós fizemos algumas modificações. Está muito melhor agora. Funciona”

Sebastian Vettel , 5 de maio, dias antes do GP da Turquia -  “Tivemos alguns problemas (com o KERS), mas temos ótimos profissionais trabalhando nisso”

Mark Webber , 9 de maio, depois do GP da Turquia - “O KERS estava muito bom hoje. A equipe fez um grande trabalho”

Mark Webber , 11 de junho, no classificatório para o GP do Canadá - “Não poderia ter tirado muito mais do carro no classificatório de hoje. Não tinha o KERS, o que afetou meu desempenho”

Sebastian Vettel , 14 de junho, depois do GP do Canadá - “É o nosso ponto fraco no momento, com certeza. O sistema teria nos ajudado se tivesse funcionado 100% do tempo e nos teria feito mais rápidos, especialmente nas corridas. Mas não foi o que aconteceu, então só podemos dizer que continuaremos trabalhando nisso”

Adrian Newey , 17 de junho - “É preciso muita pesquisa, muito desenvolvimento. Não é realmente nosso forte. Somos mais um grupo de engenharia aerodinâmica e de chassi do que de KERS”


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.