Tamanho do texto

Pilotos da McLaren acreditam que a diferença para Vettel pode ser superada no GP da Malásia graças ao sistema

A Red Bull começou a temporada com Sebastian Vettel ganhando tranquilamente o Grande Prêmio da Austrália, e sem usar o KERS (Sistema de Recuperação da Energia Cinética). Porém, para Lewis Hamilton, da McLaren, segundo colocado na prova, a equipe terá de implantar o sistema caso queira manter-se no topo.


De acordo com Hamilton, as características do GP da Malásia tornam o KERS mais importante do que ele foi na Austrália. O britânico disse que a Red Bull seguirá forte, mas está confiante de que poderá desafiar a escuderia, especialmente se ela continuar sem o KERS.

“A Malásia é uma pista de grande downforce, então você verá a Red Bull tão rápida quanto na Austrália, ou até mais rápida. Mas eu não tenho dúvidas de que podemos ser tão competitivos quanto eles”, disse Hamilton.
Hamilton acredita em vitória da McLaren no GP da Malásia
AP
Hamilton acredita em vitória da McLaren no GP da Malásia


Para o companheiro de Hamilton, Jenson Button, o recurso não foi usado pela Red Bull porque não era tão forte quanto o dos rivais no momento. “É bom para nós e precisamos ter um forte sistema de KERS, porque em termos de ritmo e em qualquer outra área eles são muito fortes”, disse Button, que acredita que Vettel ainda não mostrou o verdadeiro potencial da Red Bull.

“Eles podem melhorar para a próxima corrida. Todos tiveram tempo no inverno para brincar, então podemos ter melhorias nas próximas duas semanas, e Sepang será um circuito bom para nós, nosso carro estará funcionando bem”.

O chefe da Red Bull, Christian Horner, admitiu nesta semana que o KERS poderá ser necessário para o time na Malásia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.