Tamanho do texto

No ano em que Ayrton Senna morreu, piloto alemão superou Damon Hill e conquistou título mais controverso da carreira

Michael Schumacher venceu seu primeiro título em 1994, de forma polêmica, após superar Damon Hill por apenas um ponto
Mike Hewitt/Getty Images
Michael Schumacher venceu seu primeiro título em 1994, de forma polêmica, após superar Damon Hill por apenas um ponto

A Fórmula 1 do fim dos anos 80 e início dos 90 foi marcada pela presença de grandes nomes como Ayrton Senna, Alain Prost, Nelson Piquet, Nigel Mansell e Gerhard Berger. Porém, foi a partir da temporada de 1994 que o mundo conheceu o nome que se tornaria o maior campeão de todos os tempos da categoria: Michael Schumacher, o piloto alemão que venceu neste ano o seu primeiro título de campeão mundial.

O campeonato foi considerado o mais trágicos da história da categoria, com as mortes de Ayrton Senna e Roland Ratzemberger, mas também foi a edição que, além do título do alemão, trouxe nomes que dominariam a categoria a partir dali, como o do futuro bicampeão Mika Hakkinen e dos vice-campeões David Coulthard e Rubens Barrichello.

Michael Schumacher conduz a sua Benetton na temporada 1994
Mike Hewitt/Getty Images
Michael Schumacher conduz a sua Benetton na temporada 1994

Mas as grandes revelações daquela temporada foram justamente os pilotos que disputaram o título. Michael Schumacher, que hoje luta para viver após um acidente de esqui em dezembro de 2013 , venceu o inglês Damon Hill em um campeonato cheio de polêmicas e acusações feitas contra o alemão e a Benetton, escuderia italiana pela qual disputou as provas de 1994.

A temporada começava com grande expectativa. Após a aposentadoria de Alain Prost, campeão do ano anterior, a Williams se reforçou com Ayrton Senna, rival do francês e que deixava a McLaren com três títulos e dois vice-campeonatos. Na época do acerto, o brasileiro revelou que realizaria um sonho ao dirigir o carro da escuderia britânica.

Nas provas do Brasil e do Pacífico, Senna conseguiu a pole-position, mas, sofrendo com o ajuste do carro, abandonou as duas corridas. Sem o piloto da Williams, Schumacher teve tranquilidade para conseguir as vitórias.

Leia:  Hamilton é tricampeão de Fórmula 1 e iguala seu ídolo Ayrton Senna

Chegou então o fim de semana do Grande Prêmio de San Marino, considerado decisivo para as pretensões de Ayrton Senna no campeonato. Na sexta-feira, 29 de abril, a tensão começou a tomar conta da Fórmula 1 com o grave acidente do brasileiro Rubens Barrichelo durante os primeiros treinos livres. 

O que era tensão praticamente se tornou desespero no sábado. Durante o treino classificatório, o austríaco Roland Ratzemberger perdeu o controle do carro e bateu forte contra um muro. Apesar do socorro, o piloto não sobreviveu ao acidente.

Ayrton Senna momentos antes da largada do Grande Prêmio de San Marino
Pascal Rondeau/Getty Images
Ayrton Senna momentos antes da largada do Grande Prêmio de San Marino

No domingo, a pole-position pertencia novamente ao brasileiro Ayrton Senna, que se mostrava claramente apreensivo com os acontecimentos daquele fim de semana. No início da prova, ele manteve a liderança até que, na sétima volta, passou reto na curva Tamburello e bateu forte contra o muro. Recebeu socorro médico ainda na pista, mas não resistiu, morrendo horas depois em um hospital na Itália.

A morte de Ayrton Senna gerou uma maior preocupação com a segurança na modalidade, permitindo que durante 21 anos a categoria não registrasse acidentes fatais, fato que se encerrou com a morte de Jules Bianchi, em 2015 .

Com a morte de Ayrton Senna, o piloto inglês Damon Hill se tornou o piloto número um da Willians e disputou o título com Schumacher
Mike Hewitt/Getty Images
Com a morte de Ayrton Senna, o piloto inglês Damon Hill se tornou o piloto número um da Willians e disputou o título com Schumacher

A tragédia com o piloto da Willians abriu caminho para novo triunfo de Schumacher, que pareceria ter vida fácil no campeonato de pilotos. Foi quando entrou em cena o inglês Damon Hill, parceiro do brasileiro na equipe britânica. Filho do ex-campeão Grahan Hill, ele estava na sua terceira temporada na Fórmula 1 e, desde o início, mostrou seu talento, ficando com a terceira colocação no campeonato de 1993, atrás somente de Alain Prost e Ayrton Senna. Com a morte do brasileiro, o inglês se tornou o primeiro piloto da Williams e deu início a uma acirrada disputa com Schumacher pelo título de 1994

Além de ganhar a concorrência do inglês, Schumacher encontrou adversários externos no caminho pelo título. Em 1994, tanto o piloto quanto a Benetton sofreram punições que dificultaram a vida do alemão. No Grande Prêmio da Inglaterra, o alemão realizou uma ultrapassagem ainda na volta de apresentação, sendo punido com uma passagem nos boxes (punição posteriormente conhecida como Stop & Go). Como demorou mais do que sete voltas para cumprir a ordem da organização, Schumacher acabou desclassificado da prova, perdendo o segundo lugar conquistado na pista.

No Grande Prêmio da Bélgica, nova desqualificação de Schumacher, desta vez por um desgaste maior do que o permitido no assoalho de seu carro. A Benetton alegou que uma rodada do alemão e uma subseqüente passagem em caixa de britas durante a corrida teria alterado a medida. A FIA não aceitou as explicações e manteve a punição.

Após as punições, Schumacher seguiu líder, mas passou a encarar de perto a concorrência com Damon Hill
Mike Hewitt/Getty Images
Após as punições, Schumacher seguiu líder, mas passou a encarar de perto a concorrência com Damon Hill

A pior punição veio por outro fato ocorrido em Silverstone. A Benetton foi banida de duas corridas (Grande Prêmio da Itália, em Imola, e Grande Prêmio de Portugal, em Estoril) por desrespeito a uma bandeira preta que definiu a desclassificação do piloto alemão. Apesar de todas estas desvantagens, Michael Schumacher seguia líder e favorito ao título, mas viu a aproximação de Damon Hill, que venceu as quatro provas em que o piloto alemão recebeu punições.

Se não bastassem as sanções recebidas pelo piloto, eclodiram também denúncias que apontavam ilegalidades envolvendo a Benetton e outras equipes da categoria, que foram acusadas de usar meios ilegais de obter melhor desempenho nas corridas. Em um dos casos, foram encontrados softweres que auxiliavam o controle eletrônico do carro, o que na época era ilegal. Como não existiam provas que mostrassem o uso destes dispositivos em eventos oficiais, as equipes envolvidas não receberam punição. Anos mais tarde, o companheiro do alemão na equipe italiana, Jos Verstappen, afirmou que existiam ajudas eletrônicas para Schumacher.

"Sei o que aconteceu quando estivemos juntos na Benetton, em 1994. Tenho certeza de que Schumacher contou com auxilios eletrônicos que os outros não tiveram, todo mundo sabia disso", afirmou o holandês, "Havia auxilio eletrônico, eles (membros da equipe) nunca irão admitir, mas estou convencido disso", completou.

As punições e as denúncias deixaram o campeonato equilibrado, permitindo que Schumacher e Hill chegassem na última etapa, realizada no Circuito de Adelaide, na Austrália, com a diferença de apenas um ponto na tabela de classificação, de forma que quem terminasse a frente na classificação final da prova se tornaria campeão.

O caminho do alemão parecia tranquilo quando ele liderava a prova na 36ª volta. Neste momento, Schumacher cometeu um erro, escapou da pista e permitiu a aproximação de Hill. Para não perder a posição e, consequentemente, o título, Schumacher jogou seu carro contra a Williams do britânico, causando uma batida.

Veja o vídeo da batida entre Michael Schumacher e Damon Hill

A Benetton de Schumacher não pode continuar na prova, enquanto Damon Hill tentou seguir, mas viu os danos do seu carro impedirem sua permanência na pista, abrindo caminho para que Nigell Mansel, que substituiu David Coulthard na Willians em quatro corridas da temporada, conseguisse a última vitória de sua carreira.

Com o abandono dos dois líderes, Schumacher manteve sua vantagem de um ponto sobre o britânico e pôde comemorar seu primeiro título na Fórmula 1. Mais tarde, o piloto alemão dedicou a conquista a Ayrton Senna.

Michael Schumacher se tornou campeão mundial de Fórmula 1 em 1994
Pascal Rondeau/Getty Images
Michael Schumacher se tornou campeão mundial de Fórmula 1 em 1994


Começava ali a trajetória vitoriosa de Michael Schumacher na Fórmula 1. Em 1995, ainda pela Benetton, o alemão se tornaria bicampeão e partiria para fazer história pela Ferrari, pela qual conquistou mais cinco títulos entre 2000 e 2004, se tornando o maior campeão da categoria, superando nomes como Ayrton Senna, Nelson Piquet, Alain Prost e Juan Manuel Fangio. Porém, a forma como conduziu o desfecho de sua conquista em 1994 sempre levará um rastro de trapaça.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.