Tamanho do texto

Ex-piloto segue internado em estado grave na França após sofrer um acidente ao andar de esqui com o filho

Fãs da Ferrari homenageiam Schumacher em frente ao hospital no dia em que o ex-piloto completa 45 anos
Charles Platiau/Reuters
Fãs da Ferrari homenageiam Schumacher em frente ao hospital no dia em que o ex-piloto completa 45 anos

Michael Schumacher completa 45 anos nesta sexta-feira, mas o clima não é de festa, e sim de torcida. Internado em estado grave desde o último domingo em Grenoble , na França, após chocar-se com uma rocha quando esquiava ao lado do filho Mick, o ex-piloto alemão luta pela vida. 

Deixe sua mensagem de apoio a Michael Schumacher

Schumacher já passou por duas cirurgias para amenizar o traumatismo craniano e os hematomas internos formados após o impacto. Em coma induzido, com o estado de saúde estável, porém grave, a equipe médica do Hospital Universitário de Grenoble optou por divulgar novos boletins apenas quando houver alterações significativas. 

Além de parentes, o ex-piloto tem recebido a visita de amigos, como Jean Todt, presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e com quem formou uma parceria vencedora de cinco títulos na Fórmula 1 com a Ferrari. A escuderia italiana, aliás, além das homenagens que já vem fazendo, vai promover nesta sexta, em frente ao hospital, uma vigília com fãs para um ato silencioso em homenagem a Schumacher.

Schumacher se acidentou ao tentar ajudar criança, diz jornal alemão

Curiosamente, o gesto da Ferrari com os fãs afronta um pedido da família, que pediu privacidade, e da direção do hospital, que tem reclamado da aglomeração de pessoas e jornalistas no local, o que atrapalha o acesso ao pronto-socorro. 

Jornal alemão divulga foto de resgate de Schumacher após acidente de esqui

Maior campeão da Fórmula 1, com sete títulos (dois pela Benetton e cinco pela Ferrari), Schumacher tornou-se um ícone do esporte. Detém, entre outras marcas, o recorde de vitórias (91) e poles (68) da categoria. Após se aposentar em 2006, voltou às pistas em 2010, pela equipe Mercedes. Correu mais três temporadas, mas sem o mesmo sucesso que definiu sua carreira, indo ao pódio apenas uma vez, no GP da Europa de 2012.