Tamanho do texto

Irlandês comandou escuderia que contou com pilotos como Schumacher e Barrichello, mas diz que nova vida como comentarista fora da disputa tem menos cobranças

Eddie Jordan nunca foi piloto da Fórmula 1, mas é um nome conhecido e respeitado na categoria até hoje. O irlandês, que chegou até a disputar algumas categorias de base na Europa, resolver investir para ser dono de equipes e fundou em 1991 a Jordan, escuderia que abrigou pilotos como Michael Schumacher, Rubens Barrichello e Damon Hill e obteve quatro vitórias, sendo uma dobradinha.

Leia também:  Ferrari treina troca de pneus em Interlagos. Assista ao vídeo

Depois de passar por um declínio e uma grave crise, Jordan resolveu vender a equipe em 2005 e acompanhar a categoria de fora. “O fato é que há tanta pressão nas equipes. Dentro do time, patrocinadores, dinheiro, pilotos. São tantas situações que precisam ser resolvidas”, explicou em entrevista ao iG no Autódromode Interlagos neste sábado (24).

Deixe seu recado e comente a notícia com outros leitores

Jordan então continuou acompanhando a categoria e, em 2008, passou a ser comentarista da Fórmula 1 na BBC, emissora do Reino Unido. Para Jordan, a mudança foi importante e positiva. “Tentar dar ao público toda a informação daqui de dentro, o que está acontecendo, é muito bom. Tentar coloca-los aqui dentro, fazê-los sentir que tudo isso é real”, comentou.

O irlandês, que tem a seu lado os ex-pilotos David Coulthard e Martin Brundle, acredita que a ideia da transmissão é justamente fazer o espectador se sentir no GP. “Tento passar a sensação de que o telespectador está aqui, dentro do pitlane, acompanhando todas as decisões, é o que eu tento fazer na BBC" , disse.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Sobre o campeonato que será decidido no domingo (25), Jordan afirmou que Sebastian Vettel é o favorito, mas Fernando Alonso ainda pode ser campeão. “Vettel sabe que se não terminar a corrida, Alonso deve conseguir pontos suficientes para ser campeão. Há ainda o fator da chuva, e sabemos o que o Alonso pode fazer se isso acontecer, mesmo com um carro claramente inferior ao da Red Bull. Ele pode se aproveitar disso e daí podemos ter uma grande surpresa”, concluiu Jordan.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.