Tamanho do texto

Amigo do ex-piloto e presidente da FIA, francês visitou o Papa no Vaticano e pediu por preces pela recuperação do alemão

Jean Todt se encontrou com o Papa Francisco nesta quinta-feira
L'Osservatore Romano
Jean Todt se encontrou com o Papa Francisco nesta quinta-feira

O papa Francisco recebeu o presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, nesta quinta-feira (14) e ambos fizeram uma oração pelo ex-piloto Michael Schumacher.

"Eu pedi se ele queria fazer uma oração para Schumacher e ele aceitou prontamente. Foi um dia denso, principalmente, porque viemos aqui para falar sobre a segurança nas estradas e pude notar o tom positivo de nossa discussão, de nosso encontro.
Aumentei um pouco mais o debate sobre as pessoas nas quais estou interessado e, obviamente, Michael Schumacher está no meu coração como no de todos, é da minha família", disse Todt à "Rádio Vaticana".

Para o presidente da FIA, mesmo que o ex-piloto não fosse o tema principal do encontro, "na vida há sempre uma oportunidade e essa era uma. E a oportunidade nos permite fazer coisas extraordinárias". "Hoje foi uma coisa extraordinária", destacou.

O acidente de Schumacher ocorreu no dia 29 de dezembro de 2013 e o heptacampeão mundial de Fórmula 1 ficou cerca de seis meses em coma em um hospital de Grénoble. Atualmente, ele é atendido por cerca de 15 profissionais de saúde em sua casa, em Gland (Suíça). As informações sobre o atual estado de saúde do ex-piloto são raras.

Todt, que também é enviado especial das Nações Unidas para a Segurança nas Estradas, contou ainda que apresentou ao Papa "um filme chamado 'Save Kid's Lives', feito por Luc Benson, que o deixou muito impressionado".

Nós o informamos sobre o fato que, a cada dia, 500 crianças morrem nas estradas, que 20 mil ficam feridas a cada dia e que, a cada ano, 1,3 milhões de pessoas morrem em acidentes nas estradas e 50 milhões ficam feridas. São números que não são muito conhecidos", informou Todt. O mandatário também acrescentou que Jorge Mario Bergoglio aceitou "usar os símbolos importantes" da campanha e "utilizá-los em suas orações".​