Tamanho do texto

Parceiro do austríaco nas 24 Horas de Le Mans, brasileiro Maurizio Sala contou sonho do austríaco, morto um dia antes de Senna, de entrar da principal categoria do automobilismo

Austríaco Roland Ratzenberger fazia sua temporada de estreia na F1 em 1994
Reprodução
Austríaco Roland Ratzenberger fazia sua temporada de estreia na F1 em 1994

A morte de um tricampeão mundial já seria o suficiente para definir o GP de San Marino de 1994 como o mais trágico da história da Fórmula 1. Mas Ayrton Senna não foi o único a perder a vida naquele final de semana em Imola. Nome esquecido dos brasileiros, o austríaco Roland Ratzenberger morreu um dia antes, em 30 de abril. E o europeu, realizando o sonho de competir na principal categoria do automobilismo, havia investido todas as suas economias para disputar aquela corrida.

Ratzenberger era um competidor dentro da média, mas arrojado. Quem afirma é o ex-piloto brasileiro Maurizio Sala. Ambos dividiram um carro na tradicional prova das 24 Horas de Le Mans, em 1989, e abandonaram na terceira hora. O reencontro aconteceu no Japão no início da década de 1990, onde os dois competiram no Campeonato Japonês, uma alternativa para os que não conseguiam um lugar na F1.

“Nós vivíamos em uma comunidade lá no Japão, uma espécie de república. O sonho dele era estar na F1, como era o de todos nós. Naquela época era muito comum os pilotos que não conseguiam vaga na F1 correrem no Japão”, explicou Sala ao iG Esporte .

De acordo com o brasileiro, Ratzenberger era um sujeito quieto, mas a convivência entre os dois era amigável. O austríaco, inclusive, chegou a visitar sua casa no Japão. Seu diferencial era a ambição. O desejo de entrar na F1 era tanto que ele economizou todo seu dinheiro para apostar nisso e comprar uma vaga em uma equipe pequena.

20 anos sem Senna:  leia o que grandes ídolos do esporte falam sobre piloto

“Apesar de a gente ganhar bem lá no Japão, o Roland mantinha um padrão de vida bem simples. Tudo o que ele ganhou, economizou para depois investir naquela corrida”, recorda Sala, que recebeu a notícia da morte do austríaco com maior espanto até do que a do acidente fatal de Senna.

“Me surpreendeu mais porque foi um cara que colocou tudo o que tinha para comprar aquela vaga na F1. O que o Ayrton ganhava em uma corrida nós ganhávamos em dois ou três anos. O Roland foi para o tudo ou nada”, conta o ex-piloto.

Como Senna, Ratzenberger nasceu em 1960. Ao contrário do tricampeão mundial, o austríaco fazia sua estreia na F1 em 1994 na também novata Simtek. Na primeira corrida, no Brasil, o piloto não conseguiu se classificar. Na segunda, em Aida, no Japão, terminou na 11ª colocação.

Roland Ratzenberger morreu em Imola após perder controle de sua Simtek na curva Villeneuve e bater a 315 km/h
Reprodução
Roland Ratzenberger morreu em Imola após perder controle de sua Simtek na curva Villeneuve e bater a 315 km/h

O GP de San Marino poderia ser a segunda prova de sua carreira. Mas, no dia 30 de abril, uma peça da asa dianteira se soltou de sua Simtek e o carro decolou na curva Villeneuve, se chocando a 315 km/h contra o muro. Laudos da época indicam que a morte foi instantânea devido a uma fratura no crânio. No entanto, a notícia do óbito veio somente no hospital Maggiore, em Bologna. O o mesmo que receberia Senna 24 horas mais tarde.

Em seu funeral compareceram os austríacos Gehard Berger, que também foi ao funeral de Ayrton, e Niki Lauda, além de Max Mosley, então presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

“Roland havia sido esquecido. Então fui ao seu funeral porque todos foram ao do Senna. Pensei que seria importante alguém ir ao dele”, explicou Mosley em entrevista concedida em 2004.

Sala, porém, rebate o ex-presidente da FIA. “Não, ele é esquecido no Brasil porque era desconhecido aqui e teve a morte do Ayrton. Mas no resto do mundo ele ainda é muito lembrado”.

Ainda se discute o que teria ocorrido se fosse revelado que Ratzenberger morreu na pista, e não no hospital. Especula-se até que o GP de San Marino seria cancelado, pois a lei italiana determinaria a interdição do autódromo. Fato é que um eventual cancelamento traria um prejuízo milionário para a FIA.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.