Ameaças ainda abalam família de Willian, mas jogador deseja permanecer no Corinthians
Lance!
Ameaças ainda abalam família de Willian, mas jogador deseja permanecer no Corinthians


Mesmo após duas semanas de uma série de ameaças à jogadores do Corinthians através das redes sociais, a família do meia Willian segue abalada com o episódio. Ainda assim, o jogador deseja ‘driblar’ a situação e permanecer no clube alvinegro.

> GALERIA - Veja todos os técnicos estrangeiros que passaram pelo Corinthians
> TABELA - Confira e simule os jogos do Timão pelo Campeonato Brasileiro

No último dia 7 de abril, dois dias após o Timão ser derrotado por 2 a 0 para o Always Ready, na Bolívia, na estreia da Copa Libertadores, torcedores uniformizados foram até a porta do CT Joaquim Grava em tom de protesto, e alguns membros chegaram a ter a entrada autorizada para conversar com jogadores, integrantes da comissão técnica e diretoria. Entre os atletas, os mais experientes foram os maiores alvos de reclamação.

No entanto, o problema maior foi com ações isoladas de alguns perfis de redes sociais ameaçando os jogadores e os seus familiares. No caso de Willian, a sua filha recebeu mensagens de ódios nas redes.

Inicialmente, os familiares do camisa 10 corintiano questionaram a sua permanência no futebol brasileiro, algo que foi informado inicialmente pela ‘ESPN’ e confirmado pelo LANCE!. Porém, conforme apurado pela reportagem, o desejo do jogador é virar a página e seguir no clube de coração, que também o revelou.

Ainda assim, alguns hábitos de Willian e a sua família foram modificados após o incidente, como o acompanhamento de seguranças e a redução na participação em alguns compromissos particulares externos a fim de evitar a exposição a violência.

Contratado em agosto do ano passado, o meia tem contrato com o Timão até dezembro de 2023.

A maioria dos criminosos que ameaçaram não só a filha de Willian, mas também outros atletas e familiares, como Cássio, Gil e Paulinho, além do presidente corintiano Duílio Monteiro Alves, foram identificados e convocados a depor à polícia, em São Paulo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários