Filha de lenda da vela brasileira disputa Brasileiro da classe Finn
Lance!
Filha de lenda da vela brasileira disputa Brasileiro da classe Finn


Entre os 30 velejadores confirmados na disputa do Campeonato Brasileiro de Finn 2022 está Georgia Bruder, filha de Joerg Bruder, um dos maiores nomes da vela brasileira de todos os tempos. A tradicional competição nacional da classe começa nesta quinta-feira (21) com regatas a partir de 13h no YCSA – Yacht Club Santo Amaro, em São Paulo (SP).

Georgia Bruder, de 52 anos, compete na categoria que coroou seu pai nas décadas 1960 e 1970. Joerg Bruder disputou três edições de Jogos Olímpicos (2 no Finn e 1 no Star) e foi tricampeão mundial de Finn consecutivo. Além de dois ouros nos Jogos Pan-Americanos, o ex-atleta venceu 11 vezes o Paulista e 5 o Brasileiro de Finn.

As conquistas de Joerg Bruder no Mundial de classe foram em Cascais (Portugal) 1970, Toronto (Canadá) 1971 e Anzio (Itália) 1972. O atleta morreu em 1973, com apenas 36 anos, em um acidente aéreo no Aeroporto de Orly, na França, na viagem rumo ao campeonato mundial daquele ano, que poderia lhe render o tetra.

- Sinto um grande orgulho! Muito feliz por estar num campeonato com finnistas feras que lembram e reverenciam meu pai mesmo depois de quase 50 anos do acidente fatal. Feliz, honrada e bem-vinda! - contou a filha de Joerg Bruder, que começou a velejar apenas em 2016.

Não é o primeiro Brasileiro de Finn que Georgia Bruder participa. Em 2019, também na capital paulista, a atleta correu a competição vencida pelo atleta olímpico Jorge Zarif, que foi campeão mundial em 2013.

O barco usado por Georgia Bruder será o ‘Neguinho II’, batizado por seu pai. O numeral BL3 denominava o país, Brasil – hoje usa-se BRA – e o algarismo 3 era o número da inscrição do barco na classe Finn. A nomenclatura é usada pela escola de Iatismo de Ilhabela (SP) para homenagear o ex-atleta.

- Como sou pequena e leve, é muito desafiador velejar num Finn, e o meu seria o que meu pai usaria, mas não chegou a testá-lo - disse Georgia Bruder que se preparou para o Brasileiro de Finn treinando em São Paulo (SP) durante a segunda etapa da Copa Vela do Yacht Club Paulista, vizinho ao YCSA na Represa do Guarapiranga.

Joerg Bruder dá nome também à ruas, escolas, campeonatos, centros esportivos de várias modalidades. O ex-atleta teria 85 anos e, além de velejador e construtor naval, era geólogo e professor da USP. Além de Georgia, o casal Joerg e Maria Lucia teve o primogênito Thomas.

Mais presença feminina

A filha de Joerg Bruder não será a única mulher a correr a 60ª edição do campeonato de Finn. A paulista Paola Prada, irmã do medalhista olímpico Bruno Prada, estará na disputa na Represa do Guarapiranga. As duas amigas treinam juntas tanto na Finn que é individual como na Snipe, em duplas.

O Finn é uma classe predominantemente masculina e esteve nos Jogos Olímpicos com apenas esse gênero desde Helsinque 1952 até Tóquio 2020. É um barco de 145 kg com vela de aproximadamente 10m² de área.

- É uma classe predominantemente masculina, mas vamos fazer acontecer e mostrar que as mulheres podem velejar em qualquer veleiro, desde que tenham adequações. Estamos sempre juntas, uma apoiando a outra. Conseguimos treinar e fazer adaptações para competir de Finn, um evento de homenagem ao pai da Georgia - explicou Paola Prada.

O Campeonato Brasileiro de Finn 2022 terá recorde histórico de participantes. A competição já conta com 30 velejadores confirmados, número superior à média dos últimos anos, que foi de 12 atletas. A 60ª edição do nacional de Finn terá na raia nomes como Ricardo Santos, Robert Rittscher, Pedro Lodovici, Pedro Trouche e outros velejadores do País. O último campeão foi Jorge Zarif na edição realizada no Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários