Comunidade do tênis se une para pressionar China sobre o paradeiro de Peng Shuai
TÊNIS NEWS
Comunidade do tênis se une para pressionar China sobre o paradeiro de Peng Shuai


Por Ariane Ferreira - O desaparecimento da chinesa Peng Shuai, ex-número 1 nas duplas, tem preocupado e mobilizado a comunidade do tênis mundo afora. Utilizando uma foto da tenista de 35 anos sorrindo, fãs, jornalistas, atletas e ex-atletas perguntam 'Onde Está Peng Shuai?'.

A pergunta se tornou uma hastag em inglês, #WhereIsPengShuai, que tem o intuito de pressionar publicamente, através das redes sociais, em especial do Twitter, as autoridades da China para incentivarem a tenista a aparecer para o mundo ocidental e provar que está bem e em segurança.

A hastag surgiu no último domingo entre fãs de tênis asiáticos e logo foi adotada por tenistas do circuito WTA. As ex-números 1, Chris Evert e Martina Navratilova, foram os dois primeiros grandes nomes a pedirem por informações da chinesa e foram seguidas de jogadoras da atualidade.

Jéssica Pegula classificou a situação como "muito esquisita", enquanto Tara Moore classificou a história como "insana". A ex-número 1 Kim Clijsters afirmou "Todos nós, jogadores, homens e mulheres, precisamos ficar atrás disso. Precisamos saber se ela está segura!".

O posicionamento da japonesa Naomi Osaka que se disse 'chocada' com a situação foi censurado na China.

Durante a disputa do ATP Finals de Turim, os homens foram questionados se sabiam da situação. O número 1 do mundo, Novak Djokovic, afirmou: "Quando ouvi a história de Peng Shuai fiquei chocado. Espero que ela esteja bem e que possamos encontrá-la o mais rápido possível". Mesma linha seguida por nomes como o francês Nicolas Mahut.

O circuito feminino está massivamente trabalhando com a hastag e a WTA afirmou ao The New York Times que pode repensar seu posicionamento e atividade profissional em território chinês em razão da situação de Peng Shuai.

A China é o mercado em que o tênis feminino mais cresceu na última década, com patamares que extrapolam os 40%. Atualmente, 11 torneios do calendário anual realizados no país.

Entre os homens, o apoio à busca de Peng Shuai cresceu nos últimos três dias e diversos tenistas têm compartilhado da preocupação com a chinesa, dentre eles: Marcelo Demoliner, Stan Warinka, Fabio Fognini, Jurgen Melzer, Marc Gicquel, Mahut, Gilles Simon, que chegou a trocar sua foto de perfil pela da chinesa, e outros. O britânico Liam Broady não conseguiu conter sua indignação: "Eu não posso acreditar que isso está acontecendo em pleno século 21".

I can’t believe this is even happening in the 21st century #WhereIsPengShuai
— Liam Broady (@Liambroady) November 14, 2021

Além de atletas, a própria ATP se pronunciou no último dia 15 em apoio a WTA e pedindo pela segurança de Peng Shuai através de seu CEO, o italiano Andrea Gaudenzi: "Não há nada mais importante para nós do que a segurança da comunidade do tênis. Estamos profundamente preocupados com incerteza em torno da segurança imediata e do paradeiro da jogadora Peng Shuai. Estamos encorajados pelas recentes informações recebidas pela WTA de que ela está segura e que seguirão monitorando a situação. Em uma segunda parte, apoiamos totalmente o pedido da WTA para uma completa, justa e transparente investigação a respeito da denuncia d violência sexual contra Peng Shuai".

O zagueiro do Barcelona e dono da Kosmos Tennis, empresa que organiza a Copa Davis, Gerard Píque, também entrou para a campanha.

#WhereIsPengShuai pic.twitter.com/hKeiS3Q3fR
— Gerard Piqué (@3gerardpique) November 18, 2021

Até o momento, mais de 40 mil publicações com a hastag foram feitas no Instagram. No Twitter, apenas nesta quinta-feira 30 mil tweets com a hastag 'Where Is Peng Shuai' foram publicados, segundo estima a ferramenta online Global Web Index.

Entenda o caso

Há 12 dias, Peng Shuai, dona de dois títulos do Grand Slam nas duplas (Wimbledon 2013 e Roland Garros 2014), escreveu uma longa publicação em seu perfil oficial na rede social Weibo, a mais popular da China, na qual acusa um dos homens mais poderosos do país, o ex-vice-primeiro ministro Zhang Gaoli de violência sexual.

Na publicação, Peng Shuai também relatava ter sido amante do, agora, político aposentado. Peng diz que a relação amorosa foi consensual e que não tinha provas para confirmar a violência sexual que sofreu. 30 minutos após a publicação, o texto de Peng Shuai foi censurado e excluído da rede social, bem como o nome da tenista passou a ser bloqueado em mecanismos de buscas na internet da China.

Desde então, a tenista está desaparecida e não responde contato de colegas do circuito e nem da própria WTA. No último domingo, através das autoridades de tênis da China, o CEO da WTA, Steve Simon, foi informado de que a tenista estaria "em segurança" e "saudável", porém, Simon não conseguiu contato pessoal com Peng Shuai.

Nesta quarta-feira, a tensão sobre o caso aumentou após a agência estatal chinesa de notícias, CGTN, divulgou um suposto e-mail que teria sido enviado por Peng Shuai repreendendo a WTA por sua posição de cobrança ao governo chinês sobre o caso e sua segurança. Na imagem do que seria o suposto e-mail enviado por Peng Shuai, é possível ver o cursos de digitação, o que não ocorreria com o "print" (registro de imagem) de um e-mail já enviado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários