Tamanho do texto

Na piscina de aquecimento, Sun Yang quase agrediu nadadora brasileira e foi denunciado pela Confederação Brasileira


Sun Yang sumiu sem dar nenhuma explicação
Getty Images
Sun Yang sumiu sem dar nenhuma explicação

O chinês Sun Yang causa um grande rebuliço no Mundial de Esportes Aquáticos de Kazan, na Rússia. O bicampeão mundial na prova dos 1500m livre simplesmente não apareceu para disputar a final, deixando a Fina (Federação Internacional de Natação) em polvorosa.

No encerramento, Yang compareceu à piscina para receber o prêmio de melhor nadador, ao lado da norte-americana Katie Ledecky, melhor nadadora. O nadador asiático, em Kazan, foi ouro nos 400m livre e 800m livre e prata nos 200m livre. Ele ainda não esclareceu, no entanto, o motivo de sua ausência. Após receber o prêmio, pediu desculpas ao presidente da Fina, o uruguaio Julio Maglione, e a representantes de patrocinadores.

Pela manhã, Sun Yang quase agrediu uma nadadora brasileira. Essa informação foi confirmada, em entrevista ao "SporTV", pelo treinador-chefe da natação do Brasil, Alberto Pinto da Silva, o Albertinho. "O Sun Yang puxou a perna de uma nadadora brasileira. Enfiou o dedo na cara dela e tentou chutá-la. O Sun Yang é conhecido por não respeitar e não saber compartilhar o espaço. Um dos nosso treinadores discutiu com ele e resolvemos reportar o caso à Fina. Você sabe como é, o brasileiro tem sangue quente. Nós inclusive recebemos o apoio de nadadores do Chile, do Canadá e da África do Sul que estavam daquele lado da piscina. Isso já aconteceu com o Sun Yang outras vezes, mas desta vez o Brasil resolveu tomar uma atitude", disse Silva.

Leia também: Por um centésimo, Bruno Fratus sobe ao pódio no Mundial pela 1ª vez

Sem o chinês, que é campeão olímpico da prova, a vitória coube ao italiano Gregorio Paltrinieri (14min39s67), aprontando uma grande zebra. O pódio foi completado pelo norte-americano Connor Jaeger (14min41s20) e o canadense Ryan Cochrane (14min51s08). "Parece que o Yang ficou com medo da gente", brincou Paltrinieri, surpreso com o ouro.

Sun Yang voltou de uma suspensão por doping justamente no Mundial. Se tivesse avisado com antecedência que não nadaria, o nono colocado nas eliminatórias, Pal Joenson, das Ilhas Faroe, poderia disputar a final. Devido à informação de última hora, Joenson também ficou fora da disputa. Yang seria um dos favoritos ao ouro na Olimpíada do Rio 2016.  Não há registro anterior de um finalista se ausentando de uma decisão no Mundial de Esportes Aquáticos.

Segundo relatos da Fina, Sun Yang teria tido um problema médico antes da final. Em entrevista coletiva, o nadador simplesmente se limitou a dizer que não se sentiu "nada bem" depois do aquecimento e que, por conta própria, optou por evitar a final, sem a participação dos dirigentes da delegação chinesa. 

Confira as fotos do Mundial de desportos aquáticos em Kazan:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.