Tamanho do texto

O chefe do órgão regulador do futebol europeu disse que a decisão sobre como proceder com a sua ideia será tomada em dezembro ou janeiro

Agência Estado

A Eurocopa de 2020 poderá ser organizada por 12 ou 13 cidades de todo o continente em uma mudança radical no segundo torneio de futebol mais importante do mundo, disse neste sábado o presidente da Uefa, Michel Platini. A competição é realizada a cada quatro anos e perde apenas para Copa do Mundo em popularidade. Até 12 anos atrás foi disputada em uma única nação.

Leia também:  Del Bosque tem quase tudo pronto para decisão da Euro contra a Itália

No entanto, três das últimas quatro edições foram organizadas por dois países, com a Polônia e a Ucrânia sendo as anfitriãs do torneio atual, que vai se encerrar no domingo com a final entre Espanha e Itália. Este ano, o torneio foi realizado em oito cidades.

E mais: Técnico italiano rasga elogios a Espanha antes da final da Euro

Mas os gastos dos futuros anfitriões podem crescer após a Uefa decidir aumentar o número de seleções do torneio de 16 para 24 a partir da próxima edição, marcada para a França, em 2016. "Isso pode surpreender", disse Platini, na véspera da final. O torneio "poderia ter um país com 12 cidades ou ter 12 ou 13 cidades de toda a Europa".

Platini cogita mudanças na organização da Eurocopa
Getty Images
Platini cogita mudanças na organização da Eurocopa

O chefe do órgão regulador do futebol europeu disse que a decisão sobre como proceder com a sua ideia será tomada em dezembro ou janeiro. O Comitê Executivo da Uefa, presidido por Platini, estabeleceu maio de 2014 como a data para decidir a sede da Eurocopa de 2020.

"É uma ideia com a qual estou muito apaixonado", disse Platini, que marcou nove gols como capitão da seleção francesa que venceu o torneio em 1984 e que foi disputado por oito equipes. Para Platini, realizar a Eurocopa em 12 ou 13 cidades "será muito mais fácil a partir de uma perspectiva financeira".

O peso sobre os países anfitriões pode ser ainda mais difícil de suportar durante uma crise econômica, que agora afeta países de várias partes do continente. Polônia e Ucrânia tiveram de investir bilhões de dólares em infraestrutura, incluindo a construção de novos estádios e reformas de aeroportos, transporte público, sistemas de comunicação e avenidas.

"Nós não precisamos construir aeroportos, especialmente neste momento em que temos uma crise econômica", argumentou Platini. "Nós vamos ter mais jogos nos estádios e, se você olhar para o investimento nos estádios para apenas três jogos, é muito caro", disse referindo aos gastos feitos em cidades como Kharkiv e Lviv, que sediaram apenas três partidas nesta Eurocopa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.