O campeonato masculino terá o novo RJX, criado com a base da seleção, a união Cimed e Sky e o Sesi com o time atual campeão

Divulgação/CBV
Lucão e Théo são dois jogadores da seleção brasileira no novo RJX para temporada 2011/2012
A Superliga masculina de vôlei 2011/2012 começa neste sábado com 'supertimes' como protagonistas. Se o atual campeão Sesi entra na categoria por ter conseguido se manter praticamente sem mudanças, RJX e Cimed/Sky são "super" pelas novidades.

O RJX, time criado pelo empresário Eike Batista , nasceu como favorito ao reunir nomes da seleção brasileira como o ponteiro Dante, o levantador Marlon, o oposto Théo o central Lucão. E a equipe já se prepara para não repetir a história do Pinheiros, que nasceu como o elenco das estrelas, com Giba, Gustavo, Rodrigão e Marcelinho, e terminou dois anos depois.

Leia também: Brasil é bronze na Copa do Mundo e garante vaga olímpica

"O RJX foi montado com um investimento muito alto, todo mundo sabe disso. Mas papel e nome na camisa podem até ganhar um jogo ou outro, mas não vão fazer ganhar o campeonato, disso eu tenho certeza. Temos que trabalhar e jogar bem e lembrar que não são só os jogadores da seleção", afirmou Dante durante o lançamento da edição 2011/2012 em São Paulo. "Nosso objetivo é chegar a final. Não viemos para ser coadjuvantes", comentou o ponteiro.

Confira ainda: Repatriar atletas é aposta do Vôlei Futuro na Superliga masculina

Para Lucão, a chave para fazer um time vencedor é o foco. "O RJX é um dos favoritos porque carrega um grande peso pela bagagem de todos os jogadores. Mas temos que saber que tem outros favoritos também e temos que manter o foco para não entrar em desespero se alguma coisa der errado", alertou o central.

Um dos outros favoritos a que ele se refere é o Cimed/Sky. Depois de cair nas quartas de final na temporada passada, a equipe de Florianópolis se juntou a Sky e "ganhou" Giba e Gustavo como reforços . Como manteve selecionáveis como Bruninho, Éder e João Paulo, entra para a categoria de "supertimes". "Eles mantiveram a base e a gente veio para dar um algo a mais, mais experiência. Foi um casamento perfeito", resumiu Giba.

Outro em destaque para a edição 2011/2012 é o Sesi. Enquanto catarinenses e cariocas tentaram se reforçar ou nascer forte, o time paulista apostou em manter o elenco. Foi o time que menos mudou de uma edição para a outra, com apenas três novidades.

"O Sesi mudou pouco porque deu certo na última temporada. O Rodrigão veio para reforçar mais porque a ideia nem era perder nenhum central, mas o Vini acertou com o Vôlei Futuro. Depois, temos ainda Leo Mineiro e Diogo, que fizeram uma ótima Superliga no ano passado. Eles vêm ajudar um grupo que já era forte", explicou Murilo, capitão da equipe.

Jogadores e técnicos posam para fotos no lançamento da Superliga 2011/2012, em São Paulo
Divulgação/CBV
Jogadores e técnicos posam para fotos no lançamento da Superliga 2011/2012, em São Paulo

Sesi e RJX fazem o primeiro jogo da Superliga 2011/2012. O time paulista pode levar uma vantagem. "Ter um grupo forte pode ajudar a sair na frente. Temos uma equipe pronta e bem preparada, que acabou de ser campeã paulista e uma estrutura montada", completou Murilo.

E mais:
Oposto do Volta Redonda vai para Itália às vésperas da Superliga

Já o RJX vive como um novato. A equipe ainda não fez nenhum treino completa depois que os jogadores voltaram da seleção. Porém, eles também apostam na base neste começo de torneio. "Esse começo vai ser muito dificil pela falta de entrosamento. Mas a nossa base é de jogadores com pós-graduação, que jogaram Pan-Americano (ponteiro Lipe) ou Jogos Militares (ponteiro Thiago Sens) e também já passaram pela seleção (líbero Alan)", brincou o levantador Marlon.

Ao todo, a Superliga conta com 12 equipes para a temporada. Além dos "supertimes", Sada Cruzeiro, atual vice-camppeão, Vôlei Futuro e Vivo/Minas são outros apontados como candidatos ao título. A lista ainda conta com Medley/Campinas, BMG/Montes Claros, que podem surpreender, e Londrina/Sercomtel, BMG/São Bernardo, UFJF (Juiz de Fora) e Volta Redonda.

Acompanhe o blog no Mundo do Vôlei

"Não aposto em ninguém, nem no meu time. Vou perder meu dinheiro? Não dá para saber porque o nível técnico está muito forte", avaliou aos risos o líbero Serginho, uma das estrelas do Sesi e da seleção brasileira."O RJX tem quase a seleção brasileira inteira, cara. Não é fácil de jogar contra um time que foi montado para ganhar", disse durante o lançamento oficial da competição, nesta quinta-feira em São Paulo.

Todas as equipes da Superliga jogarão entre si em turno e returno, com os oito primeiros colocados classificando-se às quartas de final, disputadas em série melhor de três partidas, mesmo molde das semifinais. A decisão do torneio ocorre em jogo único, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo no dia 21 de abril, independente dos times que estiverem na disputa do título.

*com Gazeta Esportiva

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.