Após se concentrar no centro de treinamento das seleções brasileiras, RJX enfrenta o Vôlei Futuro nesta terça

Divulgação
Marlon, levantador e capitão do RJX, diz que concentração foi fundamental para classificação
Concentração é uma palavra muitas vezes vista com maus olhos no futebol. Ter que ficar longe de casa, hospedado em hotel, sem esposa e filhos nem sempre agrada aos atletas. Mas, no caso da equipe masculina de vôlei RJX , ela foi usada, aprovada e repetida na fase final da Superliga masculina . E depois de mais um período concentrado, o time abre a semifinal do torneio nacional contra o Vôlei Futuro nesta noite.

Deixe seu recado e comente com outros torcedores

O RJX, time criado pelo empresário Eike Batista nesta temporada, nasceu como um dos favoritos ao título pelo elenco de estrelas. A equipe conta com Dante, Marlon, Lucão e Théo, da seleção brasileira, além de nomes como Alan e Lipe, que já passaram pelo comando de Bernardinho. Entretanto, o RJX demorou a se encontrar no torneio, teve tropeços diante de times considerados menores e só chegou aos playoffs com a penúltima vaga, com a sétima colocação, com 12 vitórias e 10 derrotas.

Com a vaga no mata-mata assegurada, o RJX resolveu fazer o caminho inverso. Como a Superliga começou logo depois da Copa do Mundo, quem estava na seleção quase não treinou com o grupo antes da estreia. Então, na hora decisiva é que foi feita uma espécie de “pré-temporada” atrasada, com a concentração em Saquarema, no centro de treinamento da CBV (Confederação Brasileira de Vôlei).

“Era uma alternativa para, enfim, realizarmos o que faltou no começou da Superliga. Estávamos conscientes da nossa necessidade, pois seria a última chance de unirmos o grupo e criarmos a cara do RJX”, explica o levantador Marlon em entrevista exclusiva ao iG .

Segundo o jogador, a ideia apareceu depois de perder por 3 a 0 para o Sada/Cruzeiro, na penúltima rodada do returno. A vaga nos playoffs estava garantida, mas faltava a “cara” do time. O RJX passou uma semana em Saquarema antes das quartas de final e fechou a série contra o atual campeão Sesi em 2 a 0 . O time repetiu a concentração uma semana antes da semifinal que começa nesta terça. A equipe foi para o CT na segunda-feira da semana passada, dois dias após a classificação para semifinal e seguiu direto para Araçatuba, palco do jogo desta noite.

Central Lucão, do RJX, já está acostumado a treinar em Saquarema com a seleção brasileira
Divulgação
Central Lucão, do RJX, já está acostumado a treinar em Saquarema com a seleção brasileira

“Era muito claro que ainda não tínhamos uma identidade bem definida e com a rotina de treinamentos somados ao descanso justo, conseguimos o primeiro objetivo: passamos pelas quartas”, afirma Marlon. “Tivemos muitos problemas na Superliga e ‘n’ justificativas caberiam para o fracasso eminente. Poucos acreditavam na nossa força, ainda mais diante do Sesi. Então posso dizer com convicção que esses dias em Saquarema nos mostrou que podemos chegar mais longe”, completa o levantador.

CT aberto para quem quiser
Qualquer equipe pode treinar e se hospedar em Saquarema. Para isso, é preciso reservar o local com a CBV e pagar um aluguel para a Confederação. Se na data desejada pelo time não tiver nenhuma seleção por lá, as instalações liberadas.

Nesta Superliga, só o RJX procurou o local entre os times no masculino. Já no feminino, o CT recebe nesta semana a equipe do Vôlei Futuro, que segue na briga por uma vaga na final e enfrenta o Unilever na última partida da série na sexta-feira.

“Claro que ficar concentrado longe da família não é agradável, mas devemos sacrificar algo para conseguirmos os objetivos. E ainda tivemos um dia de folga. Meu filho foi para lá e nos divertimos muito”, conta Marlon.

Calendário da semifinal
Tanto RJX quanto Vôlei Futuro buscam uma vaga inédita na final da Superliga. Como a equipe de Araçatuba teve melhor campanha na fase classificatória tem o direito de fazer duas partidas da melhor de três em casa. Depois do jogo desta terça, RJX e Vôlei Futuro se reencontram no Maracanãzinho no domingo, às 10h (horário de Brasília). Caso seja necessário, o jogo desempate será de novo em Araçatuba, no dia 13 de abril, às 21h.

Na outra semifinal, Sada/Cruzeiro recebe Vivo/Minas também nesta noite, às 21h, em Contagem. A segunda partida será na Arena Vivo, em Belo Horizonte, no sábado, às 10h. Caso dê empate, o jogo decisivo será mais uma vez em Contagem, no dia 10 de abril, às 21h.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.