Publicidade
Publicidade - Super banner
Vôlei
enhanced by Google
 

MP analisa acusação de homofobia em jogo da Superliga

Meio de rede Michael foi alvo de comentários homofóbicos durante jogo do Vôlei Futuro com o Sada/Cruzeiro

Agência Estado |

selo

Divulgação
Jogador foi alvo de xingamentos durante partida da Superliga Masculina
O Ministério Público Estadual de Minas Gerais está analisando a acusação de homofobia feita pela jogador Michael, do Vôlei Futuro, contra a torcida do Sada/Cruzeiro, em partida válida pela semifinal da Superliga, realizada na última sexta-feira, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. O MP estuda a possibilidade de entrar com ação na Justiça por causa dos ataques.

O Vôlei Futuro já impetrou ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) acusando a torcida do Cruzeiro de ter passado toda a partida gritando "bicha" para Michael, homossexual assumido. Por meio de sua assessoria, o MP de Minas informou que o caso está a cargo do promotor Rodrigo Filgueiras.

Rodrigo Filgueiras é coordenador Centro de Apoio Operacional (CAO) da Promotoria de Defesa dos Direitos Humanos e está analisando o que ocorreu na ocasião para verificar se há possibilidade de ajuizar ação. Essa, segundo o MP, é a primeira fase de uma possível ação. Nessa ocasião, porém, o caso seria encaminhado a outro representante do órgão, ligado a alguma promotoria de execução, já que o CAO tem apenas função de apoio administrativo.

Em nota divulgada na última quarta-feira, o Cruzeiro minimizou o fato e afirmou que "nada ocorreu que já não tivesse acontecido, em maior ou menor grau, em outros jogos da Superliga". A direção cruzeirense declarou que abomina qualquer tipo de discriminação e que Michael merece respeito, mas alegou que as acusações do Vôlei Futuro têm objetivo apenas de criar atritos.

"Lamentamos que o time adversário recorra, fora da quadra, para a prática de acusações extemporâneas. E que tenha escolhido exatamente o momento após a derrota para lançar uma campanha contra a homofobia, que é absolutamente válida, mas que veio acompanhada de fantasiosas e irresponsáveis acusações", diz a nota do Cruzeiro.

Os dois times voltam a jogar no sábado, em Araçatuba (SP), no segundo confronto da série melhor de três jogos das semifinais. E o Cruzeiro depende apenas de mais uma vitória para eliminar o Vôlei Futuro e garantir sua classificação. Caso a equipe paulista vença, o duelo decisivo será novamente em Contagem (MG), na próxima sexta-feira.

Leia tudo sobre: voleisuperligavolei futuromichaelhomofobia

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG