As donas da casa venceram de virada e voltaram ao pódio do torneio depois de 32 anos

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237860236125&_c_=MiGComponente_C

O jogo valia a medalha de ouro, mas para a torcida japonesa, tinha cara de final. Com muito barulho em um ginásio lotado em Tóquio, o Japão buscou a virada contra os Estados Unidos, venceu por 3 sets a 2 (18/25, 25/23, 21/25, 25/19 e 15/08) e conquistou o terceiro lugar no pódio depois de duas horas de partida.

As asiáticas, como na semifinal contra o Brasil, erraram pouco e deram muito trabalho para as atuais campeãs do Grand Prix na defesa. No total, o Japão errou 20 vezes e ganhou 32 pontos de graça dos Estados Unidos.

As norte-americanas tentaram se aproveitar da baixa estatura das japonesas, com média de 1,75m, para crescer no bloqueio. Foram 15 pontos neste fundamento e apenas cinco das japonesas. Entretanto, as donas da casa foram melhores no saque, com oito aces. Os Estados Unidos marcaram apenas um ponto de saque.

Kimura Saori, uma das principais pontuadoras do Mundial, foi o destaque da partida, com 28 bolas no chão (26 ataques, um ace e um bloqueio). Do outro lado, a oposta Destinee Hooker também fechou o jogo com 28 pontos (24 no ataque e quatro no bloqueio).

Com a medalha de bronze, o Japão volta ao pódio depois de 32 anos. Em 1978, a seleção asiática, que já tem três títulos mundiais no currículo, ficou com a prata depois de derrota para Cuba.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.