Central anunciou aposentadoria em 2008, mas aceitou convite para voltar e diz não se arrepender, mesmo “treinando como um cavalo”

Campeão olímpico e mundial, Gustavo resolveu deixar a aposentadoria de lado. Ele se afastou da seleção masculina de vôlei depois de levar a prata nas Olimpíadas de Pequim, em 2008, e agora volta para um ano cheio , que começa com a disputa da Liga Mundial . Aos 36 anos, Gustavo volta a encarar a dura rotina de treinos do técnico Bernardinho e inverte os papeis com o irmão mais novo, Murilo.

Divulgação
Gustavo retorna à seleção e ao convívio nas quadras com o irmão Murilo
“Estamos treinando como uns cavalos, desde 7h da manhã. Está sendo uma loucura, mas estou bem e estou feliz por estar com o time de novo e por poder participar. Não me arrependo. Eu já estava acostumado”, afirma Gustavo.

O jogador estava na seleção brasileira havia 12 anos quando resolveu se aposentar para ficar mais perto da esposa, Rachel, e dos filhos Eric e Enzo. A notícia da volta não foi muito bem recebida pela mulher, mas Gustavo só tem elogios para ela.

“Ela ficou brava e chorou um pouquinho. Mas ela é uma chorona de nascença”, brinca. “Ela sente muita falta, muita saudade, mas agora estamos muito mais maduros do que antigamente. Mas eu a admiro muito porque sei que é difícil. Ela tem que suprir a minha ausência. É ela quem aguenta a saudade dos meus filhos também”, completa.

Apesar de se sentir bem e preparado para suportar a rotina puxada da seleção, Gustavo não pensa no futuro. “Não faço plano nenhum. Não penso em jogar a Liga Mundial ou fazer isso ou aquilo. Vamos ver até quando o corpo aguenta. Por enquanto, a carcaça está suportando o ritmo, mas tenho que engrossar esse caldo aí. Qualquer coisa, peço um tempo lá para o homem”, diverte-se o central.

Gustavo também vive uma situação diferente na sua volta à seleção. Nas conquistas do ouro olímpico e do bi-mundial, por exemplo, ele era um dos protagonistas enquanto Murilo, seu irmão, começava na equipe. Agora, o caçula dos Endres é o atual melhor do mundo e merece um “tratamento especial”.

“Agora que eu voltei, virei juvenil. Sou o cara recém-convocado para a seleção, estou no meu primeiro ano. Já levo a roupa do Murilo para a lavandeira”, conta Gustavo, que impõe um limite. “Mas eu só levo até a lavanderia, lavar eu não lavo, não”. “Falar ele fala, mas só quero ver se vai ser isso mesmo na hora do jogo”, provoca Murilo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.