Tamanho do texto

Levantador é carioca e exaltou a importância da criação do RJX, time financiado por Eike Batista

A cidade do Rio de Janeiro ficou 14 anos sem um time masculino de vôlei. E quem findou esta lacuna foi o RJX, apresentado nesta quarta-feira. 'Carioca da gema', o levantador Guilherme vibrou com a oportunidade de jogar no estado em que nasceu. Além disso, o atleta comentou o reencontro com o selecionável Marlon.

"O Rio de Janeiro ficou uns 14 anos sem um time masculino. Eu tinha 16 para 17 anos de idade quando tive que sair para jogar ainda juvenil na Unisul, de Joinville. Para mim é uma grande alegria poder voltar para casa e fazer parte dessa equipe que conta com uma excelente estrutura e planos audaciosos", afirmou o jogador de 30 anos.

A equipe, financiada pelo empresário Eike Batista, contratou alguns nomes da seleção brasileira, como Lucão, Théo, Dante e Marlon. A respeito do último, Guilherme - que disputou a última Superliga pelo Londrina - ignora a concorrência e tece elogios ao atleta, que estava no Minas.

"Além de um excelente jogador, o Marlon é um cara sensacional, muito querido e respeitado por todos. Tive a oportunidade de conviver com ele quando era juvenil na Unisul e treinava com o time adulto, no qual ele jogava. É bem bacana voltarmos a trabalhar juntos, dessa vez aqui no Rio", lembrou.

A primeira partida do RJX será um amistoso contra a Cimed/Florianópolis, no Ginásio Maracanãzinho, na próxima quinta-feira.