Publicidade
Publicidade - Super banner
Vôlei
enhanced by Google
 

Governo de Minas pede desculpas a Michael após insultos

Segundo Vôlei Futuro, jogador recebeu um telefonema e um e-mail com pedido de desculpas acompanhado de boas vindas do Estado

Aretha Martins, iG São Paulo |

O caso do central do Vôlei Futuro Michael, que afirmou ter ouvido insultos homófobicos na primeira partida da semifinal da Superliga masculina e, nesta terça-feira, assumiu a sua homossexualidade, ganhou mais um capítulo. De acordo com o time de Araçatuba, o governo de Minas Gerais pediu desculpas ao jogador pelo ocorrido na partida em Contagem.

O Vôlei Futuro conta, em nota oficial, que o Marcelo Garcia , chefe de assessoria da área de articulação, participação e parceria social do governo do estado de Minas Gerais, telefonou e mandou um e-mail para Michael se desculpando pelo ocorrido na partida no dia 1º de abril. Além disso, Garcia disse que o Estado dá as boas vindas ao atleta e afirma que Minas é uma terra de liberdade e diversidade.

Ainda de acordo com o time, Michael ficou muito feliz com a manifestação do governo de Minas Gerais e declarou que sua admiração pelo Estado continua a mesma.

Vôlei Futuro e Sada/Cruzeiro seguem na briga na semifinal da Superliga. O time mineiro precisa de mais uma vitória para avançar à final, enquanto os paulistas devem vencer em casa, na manhã de sábado, para levar a série para o terceiro jogo, mais uma vez em Minas Gerais.

Sada/Cruzeiro não vai mais falar sobre o assunto

A equipe mineira, por meio de sua assessoria, afirma estar focada apenas na partida que pode valer uma vaga inédita na decisão do torneio nacional. A útima palavra do time sobre a confusão na primeira partida foi uma nota oficial na tarde de quarta-feira.

Divulgação
Léo Mineiro ataca contra bloqueio de Vissotto. Ao fundo, torcida mineira acompanha a partida
"Na última partida do Sada Cruzeiro contra o Vôlei Futuro, nada ocorreu que já não tivesse acontecido, em maior ou menor grau, em outros jogos da Superliga de Vôlei. Nossos atletas, em vários ginásios pelo Brasil, também recebem gritos das torcidas adversárias, mas como profissionais são treinados para conviver e atuar com as provocações", dizia o comunicado.

O Sada/Cruzeiro ainda falou sobre as alegações de Michael e sobre os insultos homofóbicos. "As alegações do jogador Michael são totalmente genuínas e ele merece respeito. Temos a maior estima pelo atleta, que poderia perfeitamente integrar os quadros do Sada Cruzeiro, independentemente de suas opções e escolhas pelas quais temos absoluto respeito".

A eqiope ainda faz acusações: "Lamentamos que o time adversário recorra, fora da quadra, para a prática de acusações extemporâneas. E que tenha escolhido exatamente o momento após a derrota para lançar uma campanha contra a homofobia, que é absolutamente válida, mas que veio acompanhada de fantasiosas e irresponsáveis acusações, como a falta de policiamento, não atendimento no número de ingressos solicitados, seguranças supostamente bêbados trabalhando no jogo em Contagem e outras afirmações, que além de não ter qualquer precedente, são movidas com o intuito de criar um clima de guerra nas semifinais da competição. Não estranhamos a postura do Vôlei Futuro, que já foi responsável por várias confusões em quadra e fora dela nesta Superliga, ainda na fase classificatória".

O Vôlei Futuro reagiu e também respondeu com uma nota oficial. "É totalmente absurda tal declaração. A equipe do Vôlei Futuro não é e nunca foi responsável por qualquer confusão dentro ou fora da quadra. Nunca fomos punidos pelo STJD", afirmou. E completou, em outra parte do comunicado: "A atitude do time do Sada Cruzeiro é uma tentativa de denegrir a nossa imagem com informações inverídicas, descabidas e mentirosas com o único propósito de desviar a atenção de todos ao que ocorreu na partida em Contagem, onde o jogador Michael sofreu discriminação de forma organizada".

O time de Araçatuba encaminhou vídeos do jogo para a CBV (Confederação Brasileira de Vôlei), que passou o caso para o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). Entretanto, até o começo da tarde desta quinta-feira, a equipe do Sada/Cruzeiro não havia recebido nenhum comunicado ou notificação. Portanto, se for necessário um terceiro, ele segue marcado para o dia 15 de abril, em Contagem, no palco da primeira partida da série semifinal.

Leia tudo sobre: michaelvôlei futurohomossexualidadevôleisuperliga

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG