Publicidade
Publicidade - Super banner
Vôlei
enhanced by Google
 

Embalado e descansado, Osasco abre semi contra ‘cubano’ Minas

Na terça, Vôlei Futuro e Unilever começam a semifinal. Time de Araçatuba e de Minas tenta acabar com hegemonia Rio x Osasco

Aretha Martins, iG São Paulo |

A semifinal da Superliga feminina começa neste final de semana, com Sollys/Nestlé x Usiminas/Minas às 10h no ginásio José Liberatti, em Osasco. A série, decidida em melhor de três partidas, coloca frente a frente um time que lidera estatísticas no conjunto e outro que tem destaques individuais. Um time descansado e outro que fez a série mais equilibrada das quartas. E um time tetracampeão e outro tradicional, mas que venceu o torneio nacional apenas uma vez.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros torcedores

Segundo os números ao final das quartas, o Sollys/Nestlé, que eliminou com facilidade o BMG/São Bernardo com dois jogos por 3 sets a 0, é o melhor time no ataque, no bloqueio e no levantamento. Além disso, aparece em segundo no saque e na recepção. Com isso, a equipe de Osasco mostra que sua força está no conjunto.

Blog Mundo do Vôlei: Cubanas levam Usiminas/Minas à semifinal

O time conta com experientes da seleção brasileira como Jaqueline, Fabíola e Thaísa. Além disso, tem Adenízia (dúvida para o jogo após entorse no tornozelo direito), que luta por uma vaga no elenco titular de José Roberto Guimarães, e Tandara, que caiu nas graças do técnico na última temporada. A líbero é Camila Brait, apontada como sucessora da Fabi. E para completar, a equipe tem a norte-americana Destinee Hooker, que já foi carrasca do Brasil em Grand Prix e, agora, é a segurança no ataque.

Do outro lado, o Usiminas/Minas cresceu na temporada com suas cubanas. A ponteira Herrera é a maior pontuadora da Superliga, com 409 bolas no chão e é a melhor atacante do torneio. Já a oposta Daymi é a quarta jogadora da lista de quem mais colocou bolas no chão (354).

Foi baseada nas cubanas que as mineiras chegaram à semifinal. Em uma série bastante equilibrada contra o Sesi, com dois jogos decididos apenas no tie-break, o Usiminas/Minas avançou apenas no último jogo. Herrera e Daymi foram as principais pontuadoras, repetindo o que já virou costume nesta Superliga.

Divulgação
Herrera (camisa 14) é a maior pontuadora da Superliga feminina 2011/2012

"A Usiminas/Minas tem uma grande equipe e é um dos adversários mais perigosos da Superliga pelo conjunto e, principalmente, pelas cubanas (Herrera e Daymi), com quem precisamos ter muita atenção. São duas atacantes eficientes e nosso bloqueio precisa estar atento. É o tipo de jogo que se decide em detalhes", Jaqueline, capitã do Sollys/Nestlé.

Favoritismo do Sollys/Nestlé

Divulgação
Sollys/Nestlé é o time de melhor bloqueio na Superliga 2011/2012
O Sollys/Nestlé chega a essa série com duas vantagens. A primeira é estar mais descansado. Como não teve tanto trabalho nas quartas de final, foi o primeiro a se classificar. Além disso, vem embalado na competição. Líder da etapa classificatória, a equipe não perdeu nenhuma partida no returno.

O Usiminas/Minas avançou em quarto lugar aos playoffs e teve altos e baixos durante a classificação. Com isso, acabou com a série mais complicada das quartas, diante do novato Sesi.Agora, elas querem mais.

"Eu, particularmente, comemorei muito, pois é a primeira vez que chego a uma semifinal. Mas agora é uma nova fase e não estamos satisfeitos só com a classificação. Sabemos que não vai ser fácil pelas muitas qualidades do time delas, mas nós queremos muito mais. Contra o Sollys/Nestlé, precisamos sacar muito bem para tentar diminuir a força de algumas jogadoras. Temos que estar muito concentradas, já que, daqui para frente, todos os jogos serão uma final para o nosso time", afirma a levantadora mineira Claudinha.

Se for levada em conta a experiência em decisões, o Sollys/Nestlé leva mais uma vantagem. A equipe fez as últimas sete finais de Superliga, todas contra o Unilever. Venceu apenas duas, mas, no total, soma quatro títulos. O Minas tem apenas um título nacional, conquistado na temporada 2001/2002, quando era patrocinado pela MRV.

No confronto direto, mais vantagem para as paulistas. Desde a temporada 96/97, Sollys/Nestlé e Usiminas/Minas já se enfrentaram 57 vezes. O time de Osasco tem 37 vitórias (19 em casa e 18 no ginásio do adversário), enquanto a equipe mineira levou a melhor 20 vezes (11 nos seus domínios e nove longe da torcida).

Fim da hegemonia?
Na outra série semifinal, que começa na noite de terça-feira, o Vôlei Futuro recebe o Unilever. Ao lado do Usiminas/Minas, o time de Araçatuba tenta acabar com tantas finais seguidas entre as equipes de Osasco e Rio de Janeiro.

Leia ainda: Superliga 2011/2012 terá três semifinalistas do ano passado

Entretanto, se o Minas só tem um título, a melhor colocação do Vôlei Futuro, que foi o responsável por acabar com a série de 19 vitórias seguidas da equipe de Bernardinho nesta temporada, foi o terceiro lugar na temporada passada, depois da reformulação do projeto e da chegada nomes como Paula Pequeno e Stacy Sykora.
 

Leia tudo sobre: superligasollys/nestléusiminas/minasherreradaymi

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG