Tamanho do texto

Maior pontuadora da competição diz que trocaria títulos individuais pelo título do torneio

Campeã da Superliga feminina, Sheilla ainda levou os prêmios de melhor atacante da competição, maior pontuadora do torneio, com 494 pontos, e foi ainda a melhor jogadora da partida final. Mas apesar de todas as conquistas individuais, a jogadora natural de Belo Horizonte, cidade que recebeu a decisão, só comemorava o título.

Prêmios individuais ela também levou nos anos anteriores, mas não terminou campeão. Por isso, ela não esconde que trocaria todos os prêmios que recebeu pelo título da Superliga. “Acho que os títulos individuais, sinceramente, são os que menos importam. É legal, pelo tanto que a gente trabalha, pelo treinamento. Nos últimos dois anos eu ganhei como a melhor atacante e em um como a maior pontuadora também e não saí com o título. Sinceramente eu saí frustrada, agora não, agora estou saindo feliz”.

O título teve um sabor ainda especial para Sheilla. Se o Mineirinho era ginásio neutro para Unilever e Sollys/Osasco, que são do Rio de Janeiro e de São Paulo, respectivamente, o mesmo não pode se dizer para Sheilla. Nascida em BH, Sheilla recebeu uma torcida especial. Familiares e amigos estiveram no Mineirinho e vibraram muito com mais uma grande atuação da atacante, que marcou 19 pontos na final.

“Jogar no Mineirinho, em Belo Horizonte, tudo casou direitinho para a gente conquistar o título, não tinha como ser mais feliz”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.