Robertlandy Simón, Raydel Hierrezuelo e Yoandy Leal foram cortados do time que jogará a Liga Mundial

A poucos dias do começo da Liga Mundial, a Federação Cubana de Vôlei anunciou, nesta segunda-feira, os cortes dos atletas Robertlandy Simón, Raydel Hierrezuelo e Yoandy Leal. A justificativa do país caribenho é que as decisões foram motivadas por contusões e atos indisciplinares. No entanto, cogita-se a possibilidade que a iniciativa foi tomada para coibir possíveis deserções.

Em nota oficial, a federação afirmou que Simón, capitão da equipe, pediu mais tempo para se recuperar fisicamente. Caso semelhante de Hierrezuelo, assolado por lesões recorrentes nos últimos anos. Já Leal teria ficou fora por motivos disciplinares.

O anúncio causou polêmica no país, sobretudo nas redes sociais. A população cubana suscitou dúvidas sobre as dispensas e emergiu a possibilidade de que os atletas foram punidos por estarem arquitetando uma deserção durante a competição mundial - assim como ocorreu com os boxeadores cubanos Rigondeaux e Lara durante os Jogos Pan-americanos de 2007.

A suspeita ganha fundamento, pois Cuba, sem um ginásio disponível, disputará todos os seus jogos na casa dos adversários. Desta forma, a chance de um pedido de asilo político seria facilitado. Cuba, considerada uma potência da modalidade, está no Grupo D e terá como oponentes iniciais França, Itália e Coreia do Sul. A estreia será no próximo dia 28, contra os asiáticos. Antes da competição, porém, os caribenhos farão dois amistosos com a Bulgária, na Europa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.