Publicidade
Publicidade - Super banner
Vôlei
enhanced by Google
 

Campeonatos Estaduais ajudam a aquecer para a Superliga

Torneio nacional começa neste sábado, com clássico mineiro entre o campeão estadual BMG/Mackenzie e Banana Boat/Praia Clube

Aretha Martins, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237859887182&_c_=MiGComponente_C

A Superliga feminina de vôlei 2010/2011 começa neste sábado, mas algumas equipes ainda estão focadas na reta final dos Campeonatos Estaduais. Segundo as atletas, apesar do cansaço, os torneios regionais aquecem para a competição nacional.

Os jogos do Paulista são bons para a gente arrumar a equipe. São bons para pegar ritmo, já que tivemos uma quebra por causa da seleção, afirma Natália. Ela foi vice-campeã mundial com a equipe nacional e, menos de uma semana após o desembarque no Brasil, já estava em quadra pelo Sollys/Osasco para as semifinais do Estadual, contra o Pinheiros.

O cansaço pega agora, mas a gente não tem escolha. A gente se doa e se dedica ao máximo porque está fazendo o que gosta, que é jogar voleibol, comenta a atacante. Aqui é o nosso patrocinador quem paga os nossos salários, então temos que nos doar ao máximo, fala Adenízia, central do Sollys/Osasco e da seleção brasileira. Pinheiros e Osasco estão empatados na série, e a partida decisiva da será neste sábado.

Divulgação
Sollys/Osasco é o atual campeão da Superliga e luta por uma vaga na semifinal do Paulista

A outra semifinal do Paulista também conta com selecionáveis. Fabiana e Joycinha estrearam nesta semana pelo Vôlei Futuro e podem garantir vaga na final se venceram o BMG/São Bernardo na segunda partida da série, nesta noite. Acostumada ao ritmo pesado, Fabiana nem reclama mais de ter que disputar competições em sequência. Eu já estou há dez anos nesse ritmo e acho mais fácil ser assim do que parar para depois recomeçar. O corpo já está acostumado. No final, a mente fica mais cansada do que o corpo, explica a capitã da seleção.

Sollys/Osasco, Pinheiros e Vôlei Futuro são apontados como favoritos para Superliga. E ter esses confrontos antes do torneio nacional agrada. Quanto mais complicado e maior for o esforço, melhor para o crescimento da atleta, diz Fabiana. Você pega essas equipes fortes e contra elas é que dá para ter noção de como o nosso time está. Isso serve de parâmetro, completa.

Rivais fáceis significam menos desgaste
Outro campeonato na reta final é o Carioca. A decisão seria na noite de quinta-feira, mas foi adiada por causa da violência na cidade e está marcada para 22 de dezembro. O torneio apresenta nível inferior ao Paulista, já que é disputado por Unilever, grande favorito, Macaé, mais um time da Superliga, Universo e uma equipe composta pela seleção carioca juvenil.

É a única preparação antes da Superliga, e esse acaba sendo o nosso parâmetro. E tem o bônus e o ônus de jogarmos esse torneio. Quem joga um Paulista acaba se desgastando mais, mas já entra em um ritmo muito mais acelerado. A gente tem um ritmo mais lento, mas consegue chegar mais descansada, explica Fabi.

A líbero gostaria de um torneio regional mais forte e com mais times, mas não reclama. Seria bom se tivéssemos um Carioca mais equilibrado, mas é isso que a gente tem agora. E a gente sempre joga o Carioca antes da Superliga e está dando certo. Que continue assim e que a nossa preparação seja melhor do que a delas (que jogam o Paulista), brinca a líbero.

Clássico na estreia
A edição 2010/2011 da Superliga começa neste sábado com um clássico mineiro. O BMG/Mackenzie, atual campeão do Estado, encara o Banana Boat/Praia Clube. Jogar o Mineiro e a Copa Patrocínio (torneio antes do Estadual) fez o time se conhecer. Ganhar o Mineiro foi muito bom, mas agora voltamos à estaca zero e vamos começar um novo campeonato, diz a veterana líbero Arlene.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG