Equipe de Bernardinho ainda cumpre tabela nesta sexta contra a Rússia, para definir liderança do grupo F

A seleção brasileira masculina de vôlei , que luta pelo décimo título na Liga Mundial , teve que virar mais um jogo para conseguir sua segunda vitória na fase final da competição. Depois de perder o primeiro set de maneira incontestável, a equipe do técnico Bernardinho reagiu e venceu os Estados Unidos por 3 sets a 1, com parciais de 15/25, 25/22, 25/22 e 25/15, na cidade de Gdansk, na Polônia. O triunfo classificou o Brasil para as semifinais da competição.

O grande destaque do jogo foi o ponta e capitão Giba, com 21 pontos. Também pelo Brasil, que manteve o time com as modificaçãoes que deram certo diante de Cuba (Bruno, Sidão, Giba e Théo haviam entrado no terceiro set na quarta-feira começaram como titulares nesta manhã), Murilo contribuiu com 13, enquanto Lucão e Théo marcaram 11 cada. Do lado norte-americano, Matthew Anderson deixou 16, e Clayton Stanley, que acabou com a seleção brasileira na final das Olimpíadas de Pequim, saiu de quadra com 15 pontos anotados.

Outro ponto positivo do time nacional foi o bloqueio, que havia se mostrado pouco eficiente durante a Liga Mundial. A seleção cresceu no fundamento a partir da metade do jogo e fechou o confronto com 12 pontos no fundamento, três a mais que os rivais.

Com o resultado, a seleção brasileira continua em segundo no grupo F, já que a Rússia bateu Cuba por 3 sets a 0 na primeira partida do dia e foi a seis pontos, contra cinco da equipe de Bernardinho (a vitória contra Cuba foi no tie break , o que deu apenas dois pontos ao Brasil). No entanto, o time verde e amarelo já está classificado para a semifinal, já que EUA e Cuba não podem mais alcançar cinco pontos.

O Brasil ainda cumpre tabela nesta sexta-feira, às 8h30 (horário de Brasília) contra a Rússia, para definir quem terminará como líder do grupo F. Na outra chave, os possíveis adversários na semi são Argentina, Polônia, Bulgária ou Itália.

O jogo
A partida começou equilibrada, com troca de pontos até o primeiro tempo técnico, com 8 a 7 para os Estados Unidos. Na sequência, depois de um erro de arbitragem em uma bola que desviou em Lee e o juíz deu ponto aos norte-americanos, os brasileiros se perderam em quadra. Os Estados Unidos dispararam e chegaram à segunda parada com 16 a 11 no marcador. Com um ataque de Stanley e um ace de Anderson, a vantagem passou para 21 a 12. O set point veio em um erro de armação de Bruno com Sidão pelo meio e um bloqueio. Logo os norte-americanos fecharam em 25 a 15.

Seleção brasileira começou apanhando feio dos EUA, mas reagiu e devolveu o 25/15 no último set
Divulgaçao/FIVB
Seleção brasileira começou apanhando feio dos EUA, mas reagiu e devolveu o 25/15 no último set
O Brasil voltou mais concentrado no bloqueio na segunda parcial e com dois pontos no fundamento e mais uma bola no meio de Lucão, abriu 7 a 1 (8 a 2 no tempo técnico). Os Estados Unidos acertaram uma boa sequência de três pontos e com mais um ace, agora de Stanley, encostaram em 9 a 7. O empate veio em 12 a 12, no contra-ataque. Brasil ainda abriu dois pontos de novo, mas com a conclusão de Stanley em um belo rali e outro ace do atacante, os EUA empataram de novo em 18 a 18. A seleção voltou a abrir com ace de Sidão e erro adversário, fazendo 22 a 19. O time se manteve a frente e empatou a partida com 25 a 22 na parcial.

Murilo foi o segundo maior pontuador do Brasil
Divulgaçao/FIVB
Murilo foi o segundo maior pontuador do Brasil
No terceiro set, o jogo seguiu empatado até 4 a 4, quando o Brasil aplicou uma sequência e fez 7 a 4. Mais uma vez a seleção se desconcentrou após um erro e os EUA fizeram três pontos e deixaram tudo igual em 11 a 11. Os times se alternaram na liderança, mas o Brasil começou a reagir com um bloqueio simples de Bruninho, no empate em 18 a 18. Depois, com bom momento de Giba no ataque, a seleção fez 23 a 21. E Lucão subiu na rede e, no bloqueio, liquidou o set em 25 a 22.

Mais uma vez o Brasil saiu na frente. No quarto set, com vários erros norte-americanos, a seleção marcou quatro pontos e abriu 9 a 4. Os norte-americanos desencalharam no bloqueio para cima de Giba. Porém, eles seguiram comentendo erros e viram o Brasil se distanciar e chegar a 16 a 8 com mais um bloqueio, agora pelo meio. O time de Bernardinho seguiu dominando a parcial e fechou com facilidade, em 25 a 15, devolvendo o placar da primeira parcial.

*colaborou Francisco De Laurentiis, iG São Paulo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.