Publicidade
Publicidade - Super banner
Vôlei
enhanced by Google
 

Brasil vence Japão de virada de reedita final contra Russia no Mundial feminino

Seleção brasileira errou mais do que as donas da casa, mas foi melhor no bloqueio na semifinal do torneio

Aretha Martins, iG São Paulo |

_CSEMBEDTYPE_=inclusion&_PAGENAME_=esporte%2FMiGComponente_C%2FConteudoRelacionadoFoto&_cid_=1237860197985&_c_=MiGComponente_C

A seleção brasileira sofreu, errou mais, mas conseguiu vencer o Japão de virada para ficar com a vaga na final do Campeonato Mundial feminino de vôlei. O time de Zé Roberto fez 3 sets a 2 contra as donas da casa, com parciais de 22/25, 33/35, 25/22, 25/22 e 15/11. Neste domingo, o Brasil disputa a medalha de ouro contra a Rússia, atual campeã, na reedição da final de 2006, a partir das 8h30 (horário de Brasília).

O jogo foi bastante equilibrado e nervoso do começo ao fim nesta manhã em Tóquio. As japonesas horaram a fama de time de defesa, com o fundo de quadra segurando diversos ataques do Brasil. Além de defender, a bola voltava fácil para que a experiente levantadora Takeshita armasse os contra-ataques. Do lado brasileiro, também boas defesas, mas muitos erros. A seleção, por exemplo, perdeu nove chances de fechar o segundo set, que acabou em 35 a 33 e o foi o mais longo do torneio. Até esse momento, o Brasil tinha o triplo de falhas das japonesas (18 a 6). Ao final do jogo, o "placar" de erros foi 34 a 20 para o Brasil.

E as japonesas, mais baixas, usaram muito a mão do bloqueio nacional para explorar p bloqueio e pontuar. O jogo começou a mudar com a entrada de Sassá, no terceiro set, no lugar de Jaqueline. A nova ponteira melhorou a defesa do Brasil e mudou o ritmo dos ataques, colocando bolas no chão. Além disso, a capitã Fabiana assumiu a responsabilidade e chamou o jogo. Pontuando no bloqueio e no ataque, a central passou a vibrar mais e mudou o ânimo do Brasil em quadra.

Do outro lado, o Japão sentiu a pressão e passou a errar no começo do tie-break. E se o Brasil falhava nas finalizações, se segurava no bloqueio. Foram três pontos seguidos no set decisivo, a melhor parcial das brasileiras na partida. No total, a seleção fez 21 pontos de bloqueio. As japonesas marcaram apenas sete.

Divulgação
Levantadora Fabíola vibra com vitória do Brasil na semifinal do Mundial

A maior pontuadora foi a japonesa Yukiko Ebata, com 29 bolas no chão (28 no ataque e um ace). Do lado brasileiro, Sheilla e Natália foram as que mais acertaram. A oposta marcou 25 pontos (19 no ataque e seis no bloqueio), enquanto a ponteira fez 23 pontos (20 no ataque, dois no bloqueio e um ace).

O jogo
A seleção brasileira saiu na frente, com uma jogada de meio com Thaísa e três ataques de Natália (4 a 2). Mas o Japão logo empatou (4 a 4), aproveitando-se dos erros de recepção da equipe brasileira. No saque de Ebata e novo erro de recepção, as anfitriãs passaram e chegaram ao primeiro tempo técnico com 8 a 7 no placar. O Brasil recuperou a liderança no ace de Thaísa (10 a 9).

O jogo seguiu muito equilibrado e o Japão abriu, pela primeira vez, dois pontos no 15 a 13, com um saque errado de Fabiana e um erro de ataque de Jaqueline. O time brasileiro buscou de novo e, depois estar atrás no segundo tempo (16 a 15), ultrapassou com ataque de Sheilla depois de um belo rali (18 a 17).

Com muito volume de jogo e contra-ataques desperdiçados do Brasil, o Japão se manteve firme na parcial e logo voltou à frente, com bloqueio da central Ai na capitã Fabiana. No erro de levantamento de Fabíola, as asiáticas chegaram ao set point. Zé Roberto pediu tempo, teve uma conversa particular com a levantadora, mas não deu. Thaísa ainda acertou uma bola de cheque, mas no erro de Sassá pelo meio fundo, que havia acabado de entrar na partida, o Japão fechou em 25 a 22.

As belas defesas seguiram na segunda parcial e o Japão abriu dois pontos com ace de Inoue e um ponto depois de três defesas em três ataques de Natália (5 a 3). Com Fabiana pelo meio e no bloqueio, o Brasil empatou em 7 a 7, mas na largada de segunda da experiente levantadora Takeshita, as japonesas chegaram à frente na primeira parada técnica (8 a 7). Na sequência, o Brasil se impôs. A seleção marcou pelo meio com Thaísa e fez três bloqueios seguidos, abrindo 11 a 8.

Divulgação
Seleção japonesa defendeu diversas bolas na partida contra o Brasil

Entretanto, em um novo momento de desatenção, com erro de Thaísa no meio e falhas na recepção, a seleção nipônica virou em 13 a 12. A resposta veio com Natália no ataque, em uma das poucas vezes que a bola foi cravada na quadra japonesa (14 a 13). A seleção seguiu na frente e abriu um pouco com outro ponto de bloqueio (20 a 18). Mas o Japão ainda estava forte e usando ataques curtos e defendendo muito, passou novamente (22 a 21).

Mas quem chegou ao primeiro set point foi o Brasil, no 24 a 23 com belo saque de Sheilla e bloqueio de Fabiana. A partir daí, equilíbrio total. A seleção brasileira melhorou no passe e acertou os ataques. Do outro lado, as japonesas seguiram vivam com lindas defesas. O time nacional seguiu à frente até o 31 a 30, depois de um ataque de Natália. O Japão virou no 32 a 31 e fechou com ataque explorando o bloqueio nacional, em 35 a 33, no set mais longo da história do Mundial.

O jogo seguiu depois de uma parada de 10 minutos. O ritmo continuou o mesmo, com bastante equilíbrio. Ainda no começo da parcial, a líbero Fabi conseguiu salvar uma bola com uma bicicleta, mas foi ponto do Japão. As asiáticas saíram atrás, mas com precisão no contra-ataque e conhecido volume na defesa, elas abriram 6 a 4. O Brasil empatou em um ace de Fabiana que ainda bateu na rede e silenciou o ginásio (6 a 6). Mas o Japão chegou ao tempo na frente (8 a 7).

Zé Roberto colocou Sassá no lugar de Jaqueline e a mudança deu certo. Com uma largada da nova ponteira, o Brasil abriu 14 a 12. Mas, como em todo jogo, logo o Japão voltou a liderar e foi para o segundo tempo na frente (16 a 15). Mas o momento era de Sassá, que variou o ataque e conseguiu colocar a bola no chão. Com três pontos da atleta, o Brasil reagiu a abriu 19 a 17 e, dessa vez, segurou a liderança. Depois de três ataques de meio, propiciados com a melhora no passe com a entrada de Sassá, e muita vibração da central a capitã Fabiana, o Brasil fechou em 25 a 22.

Divulgação
Thaísa se esforça para recuperar bola para o Brasil na semifinal do Mundial

No quarto set, Sassá continuou em quadra do lado brasileiro e pontuando no ataque. O seu primeiro erro foi em uma bola duvidosa que o árbitro marcou como ataque para a fora no 6 a 6. O Brasil foi para o tempo na frente, com 8 a 7 depois de um belo levantamento de Fabíola e definição pelo meio. E equilíbrio era o sinônimo do jogo. O Japão passou de novo no erro de Natália e com uma bola de cheque (10 a 8).

O momento do jogo era de Fabiana. Com bloqueio da central, o Brasil não deixou o Japão escapar (10 a 11). Depois, ela largou para mais uma virada (13 a 12). E com presença no bloqueio e mais um ataque da central, o Brasil marcou 19 a 17. Com dois erros nacionais, o Japão iguala em 19 a 19. Já no ataque errado de Ai, o Brasil marcou 21 a 20. Depois, com dois bloqueios, a seleção chegou ao 24 a 22. E agora, sem dar chances, acabou com o set em um toque no fundo da levantadora Fabíola que quebrou a defesa asiática (25 a 22).

A semifinal seria decidida no tie-break e, pela primeira vez na partida, as japonesas erraram finalizações. Com essas falhas e três bloqueios, o Brasil abriu 9 a 5. As donas da casa ainda se recuperaram e encostaram em 10 a 8. Mas o momento era mesmo brasileiro. Com duas pancadas, uma de Sheilla e outra de Natália, e um bloqueio de Fabíola, o time abriu 13 a 8. E com uma china de Fabiana, o Brasil fechou em 15 a 11 e garantiu a vaga na final.

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG