Publicidade
Publicidade - Super banner
Vôlei
enhanced by Google
 

Bernardinho destaca força do grupo e já fala no octa

Campeão sete vezes com o Unilever, treinador já pensa em montar um time competitivo para 2012

Victor Martins, iG Belo Horizonte* |

Nenhum técnico brasileiro de vôlei é tão vencedor quanto Bernadinho. O título conquistado com o Unilever foi o sétimo na Superliga feminina, sem contar os triunfos com a Seleção Brasileira masculina. Apesar de já ter um currículo tão vitorioso, o treinador já planeja a conquista da Superliga de 2012. Mal tinha acabado de vencer o torneio de 2011, que Bernardinho já falava em buscar o octa.

“Heptacampeão, agora vamos buscar o octa. Muitas jogadoras não tinham vencido e agora querem continuar vencendo. Agora começa uma fase muito difícil, que é de renovação, de contratação. Semana que vem já tem a Seleção. Mas vamos montar um time competitivo e vamos brigar de novo pelo título, mas ganhar e perder faz parte do jogo”.

Sobre a partida, Bernardinho acredita que o placar de 3 sets a 0 sobre o Sollys/Osasco não reflete a diferença entre as duas equipes, que são parelhas, com quatro campeãs olímpicas para cada lado. Apesar da grande partida de Sheilla, a melhor jogadora em quadra e maior pontuadora competição, o técnico do Unilever fez questão de ressaltar o desempenho de todo o grupo.

“O time acabou funcionando muito bem, o tema da palestra de ontem foi a união. Juntos, juntos era o tema da palestra. Eles trabalharam isso ontem para a partida, o tempo todo junto. Não quero destacar um fundamento ou uma jogadora. Todo o time se portou bem e conseguiu controlar a ansiedade do início da partida e se manteve no jogo. O placar de 3 a 0 é meio falso, pois os primeiros sets foram muito duros, com o terceiro um pouquinho mais aberto. Mas estávamos prontos para essa batalha”

Bernardinho tem razão ao citar a igualdade nos dois primeiros sets, sendo que sua equipe teve de fazer 30 pontos para vencer o segundo. Para o treinador do Unilever, sua equipe teve paciência e soube aproveitar o momento ruim que o Sollys/Osasco passou depois de perder os dois primeiros sets.

“O time teve a paciência necessária, o final segundo set foi fundamental na determinação do rumo da partida. Começamos bem o terceiro set, mantemos uma distancia, sempre com a atenção no saque de uma Thaísa, de uma Carol Albuquerque”.

Leia tudo sobre: superliga femininasollys/osascounilever/rio

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG